.

.
.
.
.
.



AJUDEM-ME, POR FAVOR,

NÃO CONSIGO ENTENDER


SERÁ QUE ALGUÉM POR AÍ É CAPAZ DE ME EXPLICAR :

POR QUE É QUE O NOSSO EXECUTIVO NÃO RECEBEU O DALAI LAMA, APRESENTADO COMO "LIDER - NO EXÍLIO - DO POVO TIBETANO", POR NÃO SER UM CHEFE DE ESTADO, (PELO MENOS NA OPINIÃO DA CHINA, EU PENSO DE OUTRA MANEIRA MAS DEVE SER POR NÃO TER OS OLHOS EM BICO)

MAS

RECEBEU O LIDER LÍBIO KHADAFI NO FORTE DE S. JULIÃO, RESIDÊNCIA OFICIAL DO MINISTRO DA DEFESA, COM O SÉQUITO, AS SENHORAS,OS 200 GUARDA COSTAS, AS ARMAS (que deram logo chatice no aeroporto) A TENDA, A AREIA E OS CAMELOS.

Lá que o Khadafi venha à conferência, pronto, é lá mais com os conferencistas; Até entendo, o homem segue de compras de natal para França - uns aviõezitos, um reactor nuclear, armamento, investimentos - deixo a noticia já aqui abaixo. Agora... por que é que os camelos e restantes itens têm de ser hóspedes do nosso ministro da defesa, ou seja, do governo português, isto é, de Portugal, no fim de contas, Meu e Teu hóspede? Mas que...´

sssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

10/12/2007 - 10h43
Visita de Khadafi causa polêmica na França
DANIELA FERNANDESda BBC

"A primeira visita do presidente da Líbia, Muammar Khadafi, à França em mais de três décadas está causando grande polêmica no país.
Partidos de oposição, intelectuais e grupos de defesa de direitos humanos acusaram o presidente do país, Nicolas Sarkozy, de privilegiar interesses comerciais e ignorar o passado do líder líbio, marcado por acusações de violação de direitos humanos e patrocínio de atividades terroristas.
As críticas contra a visita de Kadafi ganharam força desde a última sexta-feira, depois que ele declarou, na véspera da cúpula União Européia-África em Lisboa, considerar "normal que os fracos recorram ao terrorismo para enfrentar as grandes potências".
"Sarkozy vai receber um chefe de Estado que acha o terrorismo internacional algo justificável. Nenhuma assinatura de contrato comercial pode explicar tal cegueira do presidente francês", afirmou o secretário-geral do Partido Socialista, François Hollande.

.../... O governo francês espera concluir vários contratos com a Líbia, sobretudo na área de armamentos e energia nuclear. De acordo com Said Kadafi, filho do coronel, a Líbia vai realizar negócios com a França de mais de 3 bilhões de euros.
"Vamos comprar aviões Airbus, um reator nuclear e queremos também comprar equipamentos militares", declarou o filho de Khadafi ao jornal "Le Figaro".
Além disso, o governo líbio anunciou investimentos de US$ 100 bilhões em projetos de infra-estrutura, como aeroportos, estradas e hotéis. As empresas francesas estarão de olho nessas oportunidades de negócios.
De acordo com especialistas, o coronel Khadafi, após tantos anos de sanções contra seu regime, busca reconhecimento internacional. Por isso, dizem os analistas, ele utilizará sua visita à França como um elemento importante nesse retorno à cena diplomática.
"O coronel Khadafi vem selar em Paris sua reabilitação diplomática", escreveu o jornal "Le Monde" em sua edição do final de semana.

Nos últimos dias, adjectivos como "inadmissível e indigna", foram utilizados por personalidades da oposição para qualificar a visita de Khadafi.
Membros do próprio governo de Sarkozy se manifestaram contra a visita do líder líbio. Rama Yade, secretária de Estado para os Direitos Humanos, declarou estar "muito chocada", pois "o prestígio da França não é devido somente à sua potência económica, mas também a princípios e valores que fazem da França um país único".
"Ficarei ainda mais incomodada se a diplomacia francesa se contentar em assinar contratos comerciais e não exigir de Khadafi garantias em termos de direitos humanos", afirmou.
"


.

Sem comentários: