.

.
.
.
.
.

CONSOLAÇÃO


A esperança na humanidade é feita destes bocadinhos
Não é apenas um salvamento, são os cuidados e os carinhos que se seguiram.

 


.

OS LIMITES DO BOM-SENSO

No dia 7 deste mês, dia do primeiro ataque terrorista em Paris, deixei aqui um registo do que se tinha passado, sem comentários ou considerações relativas à revista "Charlie Hebdo".
O que me chocou, revoltou, enojou, foi, uma vez mais, o terrorismo em si, o ataque a cívis desarmados, a violência pela disseminação do medo. Palavras minhas, usei-as à laia de Post scriptum para referir o seguinte:

Aflige o terrorismo, desenfreado, enlouquecido.

Aflige a reacção a este tsunami assassino sem fronteiras nem limites, crescente, em vias de descontrolo.

Há pouco mais de meio século o mundo viveu as consequências de um anti-semitismo irracional e poderoso

O radicalismo islâmico está empurrando o mundo para uma reacção de revolta e auto-defesa cujos limites se vão esfumando de dia para dia

Só os Estados muçulmanos, numa condenação inequívoca, activa e absolutamente demarcada, podem erguer alguma força contra esta tempestade de "Mal" que assola o mundo
... antes que seja demasiado tarde.  
Inshallah
Sobre a "Charlie Hebdo" não disse nada, nada tinha a dizer, pelo menos dentro daquele contexto: foram vítimas do que abomino, praticam um tipo de imprensa que não me agrada, de todo, mas que, e ainda bem, têm toda a liberdade para a fazer.

Dias passados fizeram a primeira publicação após aquela chacina.
Não me passa pela cabeça o que será trabalhar naquele ambiente tendo presente, de um ponto de vista pessoal, íntimo, aquele horror, aquela injustiça; o sangue, a ausência, a saudade, a revolta e eu sei lá mais o quê. A absoluta desconsolação.
Não posso dizer que compreendo, não me atrevo.
Para além de tudo o que há de imperdoável, revoltante e que chocou o mundo, independentemente de nacionalidades e religiões, há um lado pessoal que se me aparenta inimaginável.
Porém...

Somália - 17/01/15
Quando se tem em mãos uma publicação que vai ter uma tiragem de 1 milhão,
depois 3 milhões, depois 5 milhões, para além da que ultrapassou qualquer contagem e foi difundida via internet, é absolutamente indispensável que se pense, opte e se meçam os efeitos muito para lá das questões pessoais.
A nossa liberdade de expressão é importante, é fundamental mas não é a única coisa importante e fundamental no mundo e, se não houver consciência disto de nada vale, não há consciência de coisa alguma.

Eu vi, e a equipa que produz a "Charlie Hebdo" por certo também viu, os milhares, direi mesmo milhões, de muçulmanos que se manifestaram contra o sucedido, que choraram e gritaram "O Islão não é isto"; em Paris, fora dela e fora da Europa. Muitos não gritaram por saberem, melhor do que nós, que não o podem fazer.

Nigéria - 6 igrejas incendiadas
Não havia qualquer necessidade e muito menos qualquer vantagem em publicar uma nova caricatura de Maomé da dizer "Je suis Charlie".
Foi estúpido, foi arrogante, foi inconsequente.

Resultado: igrejas queimadas, consulados sitiados, cidadãos franceses ameaçados e fechados em casa. Os Jihadistas riem-se, somam e seguem. (Ver links no final do post)

Impressionou-me ver um imã egípcio a pedir, emotivamente, aos muçulmanos que ignorassem esta caricatura, dizendo que faz parte da liberdade de imprensa ocidental e que deve ser ignorada.
Não pude deixar de dar razão a vários muçulmanos turcos que disseram ser contra o que se tinha passado em Paris, que o terrorismo não segue os ensinamentos do Corão mas que se tinham sentido revoltados e desrespeitados pela nova publicação.
E outros, vários outros, muitos outros

Consulado Françês - Paquistão
E só mais uma palavra sobre a capa de revista:
Para além da caricatura pode ler-se "Tout est pardonné"...
Não sei por quem falam, por mim não é por certo.
O terrorismo não é perdoável, o jihadismo é inaceitável, a falta de respeito pela liberdade alheia é desumana, seja pela liberdade de expressão seja pela liberdade religiosa.

Fui "Charlie" no dia em que milhões foram "Charlie", muçulmanos inclusivé.


links:
http://www.bbc.com/news/world-africa-30863159
http://www.bbc.com/news/world-asia-30848689


.

O LUXO DE "BLOGAR"

Ás vezes é bom ter consciência de que escrever num blog o que nos dá na real gana é bom, é um direito, é um gosto.
Ás vezes tomar consciência de que escrever num blog  é um luxo, de que não é um dado adquirido, é devastador.

                                                                                                                 Foto: Amnistia Internacional
Castigo adiado! Esta sexta-feira Raif Badawi não foi chicoteado.
Podia ser uma boa notícia, não fosse o facto do motivo do adiamento ter sido médico. O blogger foi levado pela manhã à clínica na prisão. A conclusão: as feridas não sararam o suficiente para permitir que Raif resista a mais 50 chicotadas.

UMA PACÍFICA DECLARAÇÃO DE GUERRA


São poucos os "Dias Históricos" que ocorrem ao longo de uma vida humana média. Por "Dias Históricos" quero significar aqueles que têm impacto na história da humanidade, que marcam uma mudança real na história do mundo, na forma como vivemos, na consciência colectiva.
Ao longo do meu meio século pessoal - consciente de estar a ignorar milhares de descobertas e actos que quotidianamente contribuem para a evolução positiva e negativa da humanidade - ocorrem-me tantos quantos poderei contar pelos dedos das mãos como:

  1. a construção do Muro de Berlim (1961), 
  2. a chegada à Lua (1969 - como dia simbólico da conquista do espaço),  
  3. a revolução iraniana (1979), 
  4. a queda do Muro de Berlim (1989), 
  5. o lançamento da World Wide Web (1991) como o marco do início da utilização global da Internet, 
  6. o fim do Apartheid (1994), 
  7. o ataque ao World Trade Center (2001)
  8. o Crash dos mercados (2008)
  9. a ocupação da Crimeia (2014) reacendendo a "guerra fria"
  10. ...
O que se passou hoje em Paris parece ter o "carimbo" de Dia Histórico; é ainda cedo para o afirmar categoricamente, talvez... Tratou-se de uma mise en scène. Sim, claro, mas creio que se tratou também de uma fortíssima declaração de intenções.


Switzerland's President Simonetta Sommaruga (L), 
Turkey's Prime Minister Ahmet Davutoglu (2ndL),
 Ukraine's President Petro Poroshenko (3rdL),
 Organization for Economic Co-operation and Development

Obviamente que não me passa pela cabeça, creio que pela de ninguém, que o cerrar de fileiras, ombro a ombro, ocorrido hoje em Paris seja o embrião do mútuo entendimento dos diversos Estados e Instituições representados, a questão não é essa nem passa por aí.


Não pode deixar de ser significativo ver os reis da Jordânia, o presidente da autoridade palestiniana Mahmoud Abbas, o primeiro-ministro de Israel Netanyahu, na mesma fileira com os principais líders da Europa. Lamentável a ausência dos EUA, lamentável, embaixadora não chega. Punham-se problemas de segurança? Sim, muitos, graves, mas não em especial para Obama, muito pelo contrário.
Foi apenas uma questão de solidariedade política e condenação do terrorismo?
Não, não creio, essas estavam feitas, declaradas, expressas.

Estou em crer, quero crer, que se trata de uma tácita declaração de guerra à Jihad. 

Creio que este dia marcará o final de determinado tipo de tolerância, o final de uma política algo mole e descuidada, o entendimento prático de que as informações relativas à detecção e combate ao terrorismo não podem ser retidas por um só "serviço de inteligência" sendo imprescindível que pertençam a uma base de dados anti-terrorista global e de que a vigilância das populações não é um atentado aos direitos humanos, é a sua defesa.

Tenho consciência de que é praticamente impossível erradicar o terrorismo, em particular o jihadismo, há demasiados tarados neste mundo, mas é provável que hoje tenha sido o dia em que a forma do mundo lidar com esta aberração mudou.


A AVANTESMA TEOLÓGICA



Estou farta de saber que há coisas que não posso ouvir após a hora em que me proponho ir dormir, é como se injectasse cafeína directa à veia.

Esta madrugada, já após o bater das quatro, saiu-me ao caminho uma avantesma numa entrevista directa da CNN e, lamento dizê-lo, o pivot de serviço não teve capacidade para lhe pôr as perguntas que devia, para o confrontar com tanta idiotice e falsidade que proferiu - com ar doutoral como se fosse o supra-sumo da autoridade em terrorismo. Gostava de o ver nas garras experientes de uma Christiane Amanpour, uma Hala Gorani ou de um Anderson Cooper, mas creio que estes não gastam o seu anglo-saxónico com tipos que se põem em bicos de pés para vender livros e afagarem o ego.

O que tem graça (ou talvez os editores da CNN se tenham sentido tão assombrados quanto eu) é que quando, ainda agora, busquei a tal entrevista no site da CNN me apareceu apenas o final, tendo o revoltante chorrilho de asneiras desaparecido por artes virtuais. Por um lado é positivo: "coloque-se o lixo no lixo" mas por outro perde-se tamanha ilustração.

http://edition.cnn.com/videos/tv/2015/01/09/cnn-tonight-reza-aslan-don-lemon-islam-danger.cnn

A avantesma a quem me refiro é um teólogo que dá pelo nome de Reza Aslan e sobre quem apurei o seguinte:
  • O teólogo Reza Aslan nasceu em 1972 no Irão, numa família muçulmana e foi viver para S. Francisco. 
  • Em jovem experimenta uma conversão ao cristianismo mas não se convence. 
  • Volta a converter-se ao islamismo ( Shia Islam) em 1990 antes de ingressar em Harvard
  • Licencia-se em Sociologia das Religiões (University of California Santa Barbara) mas dá aulas de escrita criativa. 
  • A sua dissertação em História da religião: "Global Jihadism as a Transnational Social Movement: A Theoretical Framework".
  • Escreve uma "biografia" sobre Jesus mas sobre este só reconhece dois factos históricos: que era judeu e que liderou um popular movimento judeu na "Palestina" no princípio do séc I . - "Zealot: The Life and Times of Jesus of Nazareth", published by Random House in July of 2013, and it is one in a long line of books challenging the portrait of Jesus given in the gospels. Powered by the Random House marketing machine behind it, "In the end, there are only two hard historical facts about Jesus of Nazareth upon which we can confidently rely: the first is that Jesus was a Jew who led a popular Jewish movement in Palestine at the beginning of the first century C.E.; the second is that Rome crucified him for doing so."the book quickly shot to the top of Amazon’s bestseller list. - 
_____________________

Apresentado o animal há pelo menos uma conclusão imediata que sou levada a retirar: Não há nada como ter títulos académicos para legitimar as barbaridades que possam passar por uma mente ávida de público.

Mas o que disse esta autoridade teológica (que dá aulas de Escrita Criativa e vive em Hollywood) que tanto me irritou?

Sumariamente, e lamentado não conseguir aceder à entrevista na integra, opinou assim:

- A Europa sofre de uma crise de identidade, os europeus já não sabem quem são, não estão preparados para viver em sociedades multi-culturais onde se cruzam com caras pretas, mestiças, orientais, muçulmanas, etc. 
- Esta crise de identidade europeia gera uma enorme instabilidade, polarização e pressão sobre as comunidades estrangeiras, e nas muçulmanas em particular, criando uma sensação de não-pertença nestas populações que leva a actos de violência. 
- Esta instabilidade leva falta de aculturação, quer relativamente à cultura de onde provêem como àquela nova onde não se conseguem integrar 
- Para isto muito tem contribuído a legislação de exclusão de direitos praticada na Europa. A França nunca tolerou o multi-culturalismo, na Alemanha desde há meses que milhares e milhares se manifestam todas as semanas contra os muçulmanos - como por exemplo a tremendamente racista Suécia - há uma guerra civil a decorrer na Europa!!!
(Gostava de perguntar a este gajo de quantas igrejas cristãs, sinagogas ou templos budistas tem ele conhecimento em territórios islamitas, se permitem que as mulheres europeias se vistam de acordo com a sua cultura e costumes, etc,etc,etc) 
"-There is a civil war taking place in Europe, the Europeans don't know who they are anymore. They're fighting to figure out who they are. " 

"-We have seen a lot of anti-Muslim violence in Europe as well as Muslim violence against Europeans." 

- Daqui resulta que estes muçulmanos desenraízados se tornam presas fáceis para organizações como a Al-Quaeda que têm vindo a oferecer, a conferir, um preenchimento dessa lacuna de identidade e um propósito de luta pessoal, não só aos muçulmanos estrangeiros como aos próprios europeus que sofrem de perda de identidade. 
- Por último, menos grave e, a meu ver, servindo um propósito ao qual me referirei mais abaixo, considera os Estados Unidos um óptimo modelo (a great model) do que há a fazer para minimizar a situação acima descrita; sendo os EUA uma sociedade de muitas culturas, religiões e etnias, que vivem conjuntamente em harmonia, é a sociedade do séc.XXI. 
Esta leitura apresenta-se-me, no mínimo, como irónica e metida a ferros: Presentemente, nos EUA tem-se vindo a assistir a prolongados e violentos confrontos raciais como os originados em Fergusson, provocando uma radicalização entre comunidades negras para com a polícia "branca", quando Obama faz, várias vezes, de moderador na televisão nacional apelando à unidade dos americanos como um só povo, quando o "Mayor" de Nova Iorque se vê contestado pelo NYPD por ter aconselhado um miúdo mestiço seu familiar a ter cuidado na sua interacção com a polícia... Que falta de sentido de oportunidade, mais valia estares calado.
______________________

Então mas o animal é estúpido? Não, não é estúpido, é um péssimo jogador de poker. Expõe os seus propósitos na tentativa de ocultar o que lhe vai na mente e no peito. Enaltece a América, vitimiza o Islão, caracteriza a Europa como uma velha perdida. Tem "tiques" de expressão a interpretar numa visão pessoal que não comento...

A meu ver...

Este péssimo jogador de poker tenta dissimular os seus "telhados de vidro" (mais "mentalmente seus" do que "socialmente seus") num americanismo militante e exacerbado enquanto vai culpando a Europa que acusa de ter perdido a sua identidade e de se radicalizar, originando o extremismo terrorista devido à manifestação de intolerância, racismo e mesmo de ataques violentos às comunidades muçulmanas, vitimas desta radicalidade europeia.

Aah, condenando, claro, os ataques terroristas, absolutely.

Uma coisa vaticino convictamente: este tipo vai dar que falar, vai aparecer a opinar até dizer chega. Lata não lhe falta e um piquinho a escândalo que é coisa que tem sempre audiência. Raios o partam.

Que par de estalos tão bem pregado!!! Só me apetece dar-lhe bengaladas!

------------------------------

Post Sciptum:

Mesmo antes de carregar na tecla "Publish" fiz uma nova busca do vídeo com a entrevista integral, incomoda-me publicar palavras de terceiros, para mais algo inverosímeis como as que acima relato, sem um suporte factual

Por vezes a teimosia compensa... A entrevista integral continua a não estar disponível na CNN (nem no canal CNN do YouTube) mas acabei por a encontrar.

Queiram Vs. Exas. deleitar-se.




.

CON-SEQUENCIA

Carlos Latuff @LatuffCartoons
Humor... Muito a sério
5 estrelas.


.

JE SUIS CHARLIE


Utilizadores de redes sociais por todo o mundo responderam ao ataque contra os escritórios da revista satírica Charlie Hebdo com a hashtag #jesuischarlie numa onda de solidariedade para com as vítimas e em defesa da liberdade de expressão.

Três homens armados e mascarados invadiram os escritórios da revista satírica Charlie Hebdo, que já tinha sido anteriormente atacada após ter publicado uma representação do profeta Maomé. Os atacantes estavam armados com Kalashnikov e crê-se que também teriam uma granada-foguete durante o ataque esta manhã de quarta-feira.
Pelo menos 12 pessoas foram mortas a tiro, entre as quais dois polícias, e outras cinco gravemente feridas. 

(O assassinato frio e desnecessário de um dos polícias no vídeo abaixo)


 Footage captures gunmen shooting a man to the ground, then firing again at his head in what appears to be a cold-blooded murder on the streets of Paris

A video posted online captured two gunmen, clad all in black and carrying Kalashnikovs, taking fire at a lone policeman in the aftermath of the massacre.The graphic video shows the victim falling to the ground and holding his hands up to surrender before apparently being executed with a point blank shot to the head.The gunmen, who appear to be professionally trained, then jog back to a black Citroen car waiting in the middle of the road before driving off.Other videos from today's horrific attack show the gunmen shouting 'Allahou Akbar' outside the office of Charlie Hebdo in Paris and bystanders fleeing the carnage. (http://www.mirror.co.uk/)










Post scriptum:
Tristemente lamentável... Gravemente consequente...

Este primeiro post do novo ano de 2015... Este primeiro post do novo ano, lamentavelmente cola-se ao último que escrevi em 2014.

Aflige o terrorismo, desenfreado, enlouquecido.
Aflige a reacção a este tsunami assassino sem fronteiras nem limites, crescente, em vias de descontrolo.
Há pouco mais de meio século o mundo viveu as consequências de um anti-semitismo irracional e poderoso
O radicalismo islâmico está empurrando o mundo para uma reacção de revolta e auto-defesa cujos limites se vão esfumando de dia para dia
Só os Estados muçulmanos, numa condenação inequívoca, activa e absolutamente demarcada, podem erguer alguma força contra esta tempestade de "Mal" que assola o mundo
... antes que seja demasiado tarde.  
Inshallah


.