.

.
.
.
.
.

PROGNÓSTICO APÓS O ACTO

Perguntaram-me por que não escrevi nem uma palavra sobre as "presidenciais, sus muchachos e muchachas"; remeti a resposta para depois do acto.

Fico contente por a coisa se ter despachado à primeira volta, não fosse eu ver-me na contingência de ter de ir votar num personagem de carácter mais do que dúbio e andar 5 anos a rosnar de mim para comigo.

Caso se me tivesse posto alguma dúvida sobre as minhas deslavadas opções  - coisa que não se pôs -  as declarações do "Rasputine" na passada sexta-feira ter-me-iam confirmado que não haveria lugar para remoques na minha obsessivamente analítica consciência:

 "o Governo está a fazer o que deve, que é continuar um caminho do Estado português de redução do défice, para fazer terminar o processo de défices excessivos".
Verdade se diga, não acredito por um minuto que o "Fazedor-de-Factos-Políticos" pense o que disse... Então por que disse? Bem podia ter ficado calado. Podia, mas ele é assim, diz o que pensa... ser melhor dizer a dado momento... para alcançar os propósitos que persegue. E diverte-se com o assunto, está-lhe na alma de intriguista.
É um bom jogador de xadrez este rapaz, tem uma soberba capacidade para olhar e interiorizar o tabuleiro como um todo  -  apenas superada pela sua vontade compulsiva de brincar ao xeque-mate. Como agora o rei é ele pode ser que se acalme mas é duvidoso, não lhe dá gozo.

Nem pastelinhos de camarão,
nem croquetes de vitela,
nem sequer uns pasteis de Belém...
Nada na ementa que me compusesse o estômago, nada que comesse por bom
Lá teve se ser, vagamente amargo, absolutamente seco,optei pelo branco, de um trago, e não penso mais nisso.

A PARTE QUE TEMOS DE LEVAR A SÉRIO

Não quero tecer comentários nem alongar-me sobre o assunto, de há uns anos a esta parte tornei-me tendencialmente hipertensa.
(É do mau feitio, dizem as más línguas).
Deixemos então as palavras, que tendem a azedar, e tomemos os números fornecidos pelo IGCP



Há que ter calma, o governo, ou lá o que é esta coisa, tomou posse apenas há uns dias mais do que mês e meio (26Nov.2015), ainda a procissão vai na praça...

 O Estado aumenta em 12,1 mil milhões de euros as necessidades de financiamento até 2019 e atira 6,6 mil milhões de dívida do FMI para pagar depois da legislatura 
Custo médio da dívida do FMI - 4,7% 
Juros da nossa dívida a dez anos no mercado - 2,6% 

(Fazei as continhas, fazei...)

 Olhando para a segunda linha da tabela:  "Défice do subsector Estado", percebe-se que em quatro anos o Governo de António Costa prevê ter défices superiores ao previsto pelo Governo anterior de 11 mil milhões.

- Em quatro anos, o Estado prevê endividar-se em 71,1 mil milhões; 
- Em Setembro último previa ir aos mercados buscar apenas 59 mil milhões. 

- Nestes mesmos quatro anos, o Estado previa pagar antecipadamente ao FMI 16,9 mil milhões de euros, 
- Agora prevê devolver apenas 10,3 mil milhões.

(Por outro lado... Não fazei continhas, sede felizes, gozai os feriaditos, trabalhai 35 horas semanais e por aí fora e coiso e tal, sempre, sempre ao lado do povo até à bancarrota final)

NÃO VOU LEVAR ISTO A SÉRIO - 5

Citando o Exmo. Senhor ministro da educação:

"Sabemos que o SUCESSO escolar é o grande entrave ao progresso das qualificações, à mobilidade social e também ao paliar das desigualdades."
"E é preciso, acima de tudo, voltar para trás, ter a consciência de que a escola não tem de treinar para exame."
Poderia agora dedicar algum do meu latim a comentar sobre a evidência de que o Exmo. Senhor ministro da educação é uma cavalgadura. Poderia... mas não seria a mesma coisa. Assim chega perfeitamente e até gosto da parte do "paliar das desigualdades.". Não consta deste vídeo mas também gostei da seguinte argumentação apresentada no decorrer desta palhaçada:
"Ó Srª deputada quem governa somos nós e é assim que nós queremos e pronto"
I rest my case...



BOWIE - UMA VIDA TRANSBORDANTE


ENDLESS BOWIE - Alex@RealGana

Bowie, a despedida...

Na passada sexta-feira, dia 8, passou na BBC uma pequena peça dedicada ao 69º aniversário de Bowie e ao simultâneo lançamento do seu último álbum "Blackstar".
Fiquei perplexa, aterrorizada, ao olhar as imagens, a música desapareceu; o sofrimento que transmitem é de tal forma brutal que não consegui seguir o desenrolar das músicas sem me violentar.
Violento, é o adjectivo que encontro para a sensação de sofrimento dos dois vídeo-clips de lançamento do álbum. Bowie está doente, pensei,  estará a morrer?
(Aconteceu-me o mesmo a primeira vez que vi o clip de "I'm going slightly mad" dos Queen: dois dias depois Mercury morria)

Transcrevo abaixo palavras que encontrei on line sem mais comentários
«Released only four days ago, the video for single ‘Lazarus’ was Bowie’s parting shot, opening with a blindfolded, fragile-looking Bowie laying in bed. His first words “look up here, I’m in heaven/I’ve got scars that can’t be seen” are now obviously an admission of his ill health, rather than just a fantastical musing on mortality. It soon becomes obvious that the bed he's in is a hospital one and Bowie begins to float above it, signifying his transmutation to the other side – whatever, or wherever that may be. Watching it now, it’s a statement as bold as it is bleak. »Read more at:How David Bowie told us he was dying in the 'Lazarus' video -  http://www.nme.com/blogs/nme-blogs/how-david-bowie-told-us-he-was-dying-in-the-lazarus-video?utm_source=facebook&utm_medium=social

Deixo também os links para os dois clips de lançamento de "Blackstar", não os desejo publicar aqui. Se os virem e ouvirem creio que me entenderão.
Apenas um momento de alívio no final de "Lazarus":
  "Just like that blue bird, I'll be free"... 
É quase um alívio que Bowie esteja agora para lá desta vida

Lazarus - https://youtu.be/y-JqH1M4Ya8
Blackstar - https://youtu.be/kszLwBaC4Sw

Link: David Bowie no Cinema 

Proíbido Ler - 24Nov.2014


Sixty-six facts about David Bowie

In BBC News 11Jan.2015

.