.

.
.
.
.
.

MUDAI DE BRUXA, MUDAI.

É melhor mudarem de bruxa, essa enganou-se. 



 Não, não sou apoiante do Porto...
Os meus amigos lampiões que me desculpem mas estavam a pedi-las.
Levaram os santo campeonato a chagar os melões dos outros... Agora comam-los


Não é para isto que uma mãe traz um filho ao mundo

É impressionante, quase inacreditável. Algumas destas pessoas, diria mesmo que a maioria, transformaram-se até ao quase irreconhecível. Não creio que estas transformações possam ser apenas físicas, em nenhum deles.
Entre a primeira e a terceira fotos distam apenas sete meses; parece-me que as mais impressionantes serão as segundas. As transformações do olhar são as que mais me tocam...
Não é para isto que uma mãe traz um filho ao mundo.

(Clicar no canto inferior direiro para aumentar a imagem)

________________________________________

Soldiers' portraits before, during and after war 
Photographer Lalage Snow's powerful series of triptychs titled We Are The Not Dead depict the faces of British servicemen before, during and after their deployment to Afghanistan, spanning a period of seven months
The images are as striking as they are revealing, highlighting not only the physical transformations but the emotional ones, as well.

Lalage Snow is a photographer, journalist and filmmaker currently based in Kabul, Afghanistan.


We Are The Not Dead - Images by Lalage Snow


IRÁ A EDP ENTRAR EM ESTADO DE CHOQUE?

Pode ser que eu não tenha razão, definitivamente o meu "negócio" não são os números, mas uma das muitas coisas que me faz brotoeja no mercado nacional são as exorbitantes tarifas, e taxas, da EDP face aos seus lucros, tendo em conta que a electricidade é um bem essencial, em casa e nas empresas, particularmente as fabris. Confesso que me traria um sorrisinho ao canto da boca ver a EDP ter de repensar as suas tarifas devido a uma liberalização do mercado.

Sei que ainda é cedo, até 2015 ainda muita corrente eléctrica passará pelos fios de alta tensão mas a informação disponibilizada pela eventual concorrência é ainda muito escassa e pouco divulgada, a própria concorrência parece-me escassa relativamente ao enorme mercado em termos nacionais.

Passou-me sob o nariz um artigo que não responde ao essencial - creio que nesta altura ainda ninguém responde satisfatoriamente - mas dá resposta a muitas dúvidas, direitos e obrigações; Preços? Mais euro menos euro, não vejo nada no horizonte que me possa mudar a cara quando olho para a factura, venha ela de onde vier.


 «Tudo sobre o mercado livre de electricidade»
In "Sol"  - 2 de Maio, 2013

«Com a extinção das tarifas reguladas da electricidade a 31 de Dezembro de 2012, substituídas pelas tarifas transitórias, os consumidores terão três anos para poderem escolher um operador do mercado livre.

O calendário definido pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) fixa duas fases para a extinção das tarifas reguladas, sendo que desde 1 de Janeiro de 2013 acabaram as tarifas para todos os consumidores de electricidade e gás natural, isto é, com potência contratada até 10,35 kVA no caso da electricidade e um consumo anual até 500 m3 no caso do gás natural.

Tire as suas dúvidas:

O que significa o fim das tarifas reguladas?
O fim das tarifas reguladas significa que os preços de venda de electricidade e de gás natural aos consumidores deixam de ser fixados pela ERSE, passando a ser definidos pelas empresas presentes no mercado. Até agora, para fornecimento de eletricidade, há ofertas da EDP Comercial, da Galp, da Endesa, da Iberdrola e da Gas Natural Fenosa.

O que é o mercado liberalizado?
O mercado considera-se liberalizado quando vários comercializadores podem concorrer livremente em preços e condições comerciais, observando as regras da concorrência, a lei geral e os regulamentos aplicáveis. Outras actividades, como o transporte e a distribuição de electricidade e gás natural, vão continuar a ser reguladas e os seus operadores serão obrigados a fornecer os serviços aos operadores finais em condições de transparência e não discriminação.

Quando se conclui o processo de liberalização?
A conclusão do processo de liberalização dos sectores energéticos da electricidade e do gás natural significa que todos os consumidores deverão escolher um novo comercializador de electricidade e gás disponível no mercado no máximo até 31 de Dezembro de 2015. Os consumidores já hoje podem fazer a sua migração do mercado regulado de electricidade (no qual estão a maioria dos consumidores portugueses, cerca de cinco milhões de clientes) para o mercado liberalizado (que tem actualmente 1,5 milhões de clientes).
Desde 01 de Janeiro de 2013 que, caso o consumidor opte pela tarifa liberalizada, não poderá voltar à tarifa regulada. No entanto, dentro do mercado livre, pode optar pelas várias ofertas e mudar de comercializador quantas vezes pretender. Quando assina um contrato de fornecimento de electricidade e de gás nenhum deles tem um compromisso de fidelização.

O consumidor vai pagar para mudar da tarifa regulada para a tarifa liberalizada ou, quando estando na liberalizada, terá encargos para mudar de operador?
Não. Todos os processos de mudança são gratuitos, sendo accionados assim que o consumidor contactar e contratar um novo fornecedor de energia. A ERSE alerta que os portugueses devem estar atentos às ofertas comerciais das várias empresas fornecedoras de electricidade e gás natural que estão a operar no mercado, em princípio, mais competitivas que o regulado.

Quais os passos para mudar de comercializador?
Um consumidor que pretenda mudar de comercializador de energia eléctrica ou de gás natural, quer seja no âmbito da extinção de tarifas reguladas, quer seja pela procura de melhores condições de fornecimento, deverá seguir três passos fundamentais: consultar os comercializadores, comparar e escolher preços, condições de pagamento, prazos, promoções, etc. A ERSE tem um simulador na sua página de internet.

Quanto custa a mudança de comercializador?
A mudança de comercializador não tem custos para o consumidor e deverá ocorrer no prazo máximo de três semanas.

Qual a duração do processo de mudança de comercializador?
Após a celebração do contrato de fornecimento com o comercializador escolhido, este inicia todos os procedimentos necessários, sendo que será feita em cerca de cinco dias úteis. Após a concretização da mudança, o antigo comercializador está em condições de emitir a última factura de energia (factura de fecho) e o novo comercializador começa a fornecer com as condições negociadas com o consumidor.

Para concretizar a mudança de comercializador o consumidor precisa de alterar algum equipamento ou alguma característica das instalações?
Não. A mudança de comercializador é uma mera transferência de relacionamento comercial, pelo que no processo de mudança não são alterados equipamentos ou características da instalação de consumo, tais como, a potência contratada ou o escalão de consumo.

A quem posso recorrer em caso de reclamação ou dúvida?
A comercialização de energia eléctrica e de gás natural está sujeita a regulação da ERSE, no que respeita às condições e práticas comerciais junto dos clientes. Em caso de reclamação ou dúvida na aplicação dos seus direitos, poderá recorrer à ERSE ou a organismos de defesa do consumidor.

O fornecimento de electricidade ou gás natural pode ser interrompido na mudança de comercializador?
Não. A mudança de comercializador pressupõe a existência de novo contrato de fornecimento de electricidade ou de gás natural. Após a assinatura do novo contrato, o novo comercializador trata de todos os aspectos técnicos relacionados com a transferência da relação contratual. Até à data de concretização da mudança de comercializador, o fornecimento de electricidade e gás natural mantém-se com o anterior comercializador.

Vale a pena mudar para o mercado livre se tiver uma tarifa bi-horária?
Em princípio não porque as ofertas no mercado livre não oferecem qualquer desconto sobre a tarifa regulada. No entanto, se pretender uma factura única, em que agrupa o gás e a electricidade, já poderá compensar.

O que vai acontecer depois de 31 de Dezembro de 2015? Se não mudar para o mercado livre fico sem electricidade?
Sim. Segundo o que está estipulado, quem não fizer a sua alteração de contrato para o mercado livre, o consumidor ficará sem fornecimento de electricidade ou gás a 1 de Janeiro de 2016.

A electricidade vai ficar mais barata durante o processo de liberalização?
Não, a não ser que aconteça uma queda brutal do preço do petróleo e do gás natural nos mercados internacionais. A ERSE vai rever os preços das tarifas reguladas de três em três meses, sendo que as empresas a actuar no mercado estão a aplicar descontos sobre as tarifas reguladas. Se o preço sobe na tarifa regulada, implicitamente sobe no mercado livre, embora com um desconto.»


.

ZERO DESPERDÍCIO

FINALMENTE!

PARABÉNS PELA INICITIVA E PELA ADESÃO


«Se vir o selo "Zero Desperdício" num restaurante, supermercado ou hotel então é porque está num estabelecimento que aderiu ao nosso movimento.
Ou seja, todos os excedentes alimentares em perfeitas condições de higiene e segurança são recolhidos por instituições de solidariedade social que os distribuem pelas famílias que mais precisam.
Assim, já sabe, o selo identifica um parceiro Zero Desperdício!»


«PORTUGAL NÃO SE PODE DAR AO LIXO»
«Cerca de 360 mil portugueses passam fome. Enquanto isso, estima-se que todos os dias 50 mil refeições são desperdiçadas de norte a sul do país. »

«O movimento Zero Desperdício está a aproveitar os bens alimentares que antes acabavam no lixo – comida que nunca saiu da cozinha, comida cujo prazo de validade se aproxima do fim, ou comida que não foi exposta nem esteve em contacto com o público – fazendo-os chegar a pessoas que dela necessitam. 
Ao entrar num estabelecimento com o selo Zero Desperdício, tem a certeza de que todas essas refeições são aproveitadas e encaminhadas para a mesa de alguém. Uma iniciativa em que os estabelecimentos e os seus clientes participam sem gastarem um cêntimo.»

http://www.zerodesperdicio.pt/

. https://www.facebook.com/zerodesperdicio


CADA UM É PARA O QUE NASCE

DESDE QUE TENHA RENDIMENTOS PARA TAL

 

O nosso José viajou sozinho em classe executiva de Paris para Lisboa... Pessoalmente não estranho, uma pessoa sabe lá se "aquilo" é contagioso... Pode ser que tenha tido oportunidade de fumar um cigarrito à sucapa.

«Passos em económica e Sócrates em executiva» 
 Expresso - 14 de Maio, 2013


«Pedro Passos Coelho teve na tarde desta terça-feira uma inesperada companhia no voo da TAP que o transportou de regresso a Lisboa, depois da apresentação em Paris do relatório da OCDE sobre Portugal: nada mais, nada menos do que o mais famoso estudante português na cidade-luz, José Sócrates.
Mas, além dos cumprimentos de circunstância à partida e de uma breve troca de palavras à chegada, o primeiro-ministro não terá tido oportunidade de trocar impressões com o ex-primeiro-ministro sobre a reforma do Estado.

Tão perto e tão longe, o primeiro viajou em classe económica, obrigado pela regra que impôs a todo o governo no início do mandato. Livre de tais constrangimentos, o ex-primeiro e comentador dominical da RTP viajou em executiva. Onde, aliás, era o único passageiro.»

COMO UM SONHO PROFÉTICO

O autronauta Chris Hadfield, da Agência Espacial Canadiana, após passar cinco meses no espaço como comandante da E.E.I. fez uma despedida em grande com a espectacular gravação  do super-êxito de David Bowie "Space Oddity" ( 1969 - quando as estações espaciais eram ficção e sonhos) que ganhou contornos de canção profética um pouco ao jeito das obras de Arthur C. Clarke, salvaguardando as devidas distâncias



Já anteriormente este Coronel havia publicado um video com fotos suas tiradas a bordo da Estação Espacial com o fundo musical original de "Space Oddity" cantada por Bowie. Um Comandante criativo sem dúvida, um homem polifacetado que é tido como o mais "cool" dos astronautas inter pares


















DAVID BOWIE - SPACE ODDITY - 1969 ORIGINAL VIDEO




.



DESCULPEM QUALQUER COISINHA, SIM?

Eu portei-me bem, a sério

Até fui ver o jogo, por minha sugestão, com um bom amigo benfiquista a um restaurante de um outro benfiquista simpático; Estava rodeada de "lampiões", aquilo mais parecia um galinheiro,  e portei-me impecavelmente.

Não mandei SMS's provocatórios nem mensagens... E havia muito, muitíssimo, quem as merecesse: levei o campeonato inteirinho a aturar as maiores baboseiras e,até, arrogâncias, a benfiquistas, fartei-me de ver fotos com Leões esmurrados e em estado de coma.

Ontem portei-me bem e hoje fui discreta e silenciosa, aparte um ou outro comentário com um ou outro correligionário sportinguista no "facebook" acerca do silêncio quase sepulcral que flutuava por aquela rede social desde a noite de ontem; até se sentia uma espécie de bruma fantasmagórica...


Portei-me bem, já passa das 22h...
Mas agora já não me aguento, já me escaqueirei a rir... Não dos meus amigos benfiquistas, Deus me livre, sei bem como caiem mal as gargalhadas de adversários insensíveis quando sentimos o peso da derrota sobre o nosso humor.
Escaqueirei-me a rir quando via a "Tia Eva", Senhora hungara fan de futebois, dar largas à sua boa disposição rechonchuda ao lembrar o derby de ontem. Impagável!

BOAS CAUSAS, BOM MARKETING

ESTE É O TIPO DE MARKETING QUE ME LEVARIA A ENTRAR NUM RESTAURANTE.

DEMAGOGIA OU GENEROSIDADE TANTO ME FAZ,
INTERESSA-ME O RESULTADO PRÁTICO

É IMORAL A QUANTIDADE DE COMIDA QUE DIARIAMENTE VAI PARA O LIXO
(onde pessoas a vão buscar)

Uma política de empresa deste tipo pode poupar muito em publicidade com iguais ou melhores resultados

Mas há outras formas de aplicar a ideia que não ficam atrás desta

É só uma questão de imaginação e boa vontade, o êxito segue-se.





SÍRIA: UM INFERNO INFECCIOSO

BEBÉ HUMANO... NA SÍRIA

5 reasons Syria's war suddenly looks more dangerous

By Tim Lister, CNN
May 9, 2013

 1: Israel and Hezbollah's proxy war
 2: More than ever, it's sectarian
 3: Al-Assad goes for broke?
 4: Chemical Weapons
 5: Players and Puppets: Iraq, Turkey, Lebanon and Jordan





Um artigo, extenso, que vale o tempo de o ler
Um slide-show com 115 fotos da Síria actual que falam por si

LINK:
  http://edition.cnn.com/2013/05/08/world/meast/syria-more-dangerous/?hpt=wo_c1


.

ABENÇOADO!

Esta notícia teria pano para mangas, compridas e esvoassantes
Da lei, do código penal, da impunidade
Das cabras que andam por este mundo, e os bodes, e as pessoas que não se contentam em ficar a ver sem fazer nada

 Espero que esta gaja nunca engravide, se a criança chatear corre sérios riscos de acabar no contentor do lixo

Quanto ao heroi da história... Abençoado.
Por não ter deixado passar
Por ter assentado um valente par de estalos onde faziam falta
Por ter coração, consciência e coragem. ...

E ganhou uma amiga que a outra, a cabra, obviamente, não merecia.


«Quem não gosta de animais não pode gostar de pessoas»
In "Expresso", Pedro Amaral

«Um cachorro foi atirado pela janela de um automóvel. O condutor da viatura que seguia atrás encetou uma perseguição que acabou com duas violentas bofetadas na mulher que se havia desembaraçado do "embrulho". Hoje, a cadela que salvou vive consigo.»


 «É uma história real. Triste, reveladora de desumanidade e preocupante porque espelha o que de mais baixo pode haver no ser humano.

Numa estrada, algures em Portugal, um homem dirigia a sua viatura, conduzindo logo atrás de uma outra que subitamente abrandou a marcha de forma bem significativa, obrigando-o a uma travagem brusca.
É então que vê um pequeno " embrulho " ser atirado pela janela do "pendura" tendo caído a uns quatro metros da berma da estrada.
Intrigado o nosso homem resolve parar o automóvel e dirigir-se para o local a fim de constatar o que tinha sido atirado pela janela.
E foi com espanto que, ao desatar o nó do saco de plástico, deparou-se-lhe um cachorrinho, ainda bébé, que gania alto.

O homem em causa, de 1,87 m de altura e bem constituído, refeito do espanto e da surpresa, sentiu uma revolta surda que o dominou por completo. Entrou no carro de novo com o cão bébé e arrancou em alta velocidade pela estrada que seguia, tendo conseguido alcançar, ao fim de 15 minutos, a viatura de onde o cachorrinho houvera sido lançado para fora e, numa manobra abrupta mas rápida, fez a ultrapassagem necessária para logo de imediato proceder a uma travagem a fim de conseguir a imobilização da viatura em causa. O que sucedeu.»

Saindo do seu automóvel, o homem dirigiu-se para a porta do pendura com o cachorrinho bébé e, para seu espanto, viu que a pessoa em causa era uma mulher.

 - Este cachorrinho é seu, não é verdade? -, perguntou ele.
- Não. Deve estar enganado - , respondeu ela.
- Não estou enganado. Vi-a a atirá-lo pela janela fora quando seguia atrás de vós - , continuou ele.

A mulher nada disse, fechando-se num mutismo próprio de quem se sentira apanhada.  
Acto contínuo o homem abriu a porta do carro onde ela se encontrava sentada e desferiu duas sonoras e não menos violentas bofetadas no seu rosto. Um homem, que seria o marido da mesma, abre a porta da viatura a fim de tirar o desforço devido e só não fez mais nada porque ouviu a seguinte frase: " A tua mulher levou duas chapadas mas tu, se avanças, não ficas direito ". O marido da senhora resolveu prudentemente fechar a porta do carro e quedar-se no interior.

O homem que tinha o cachorrinho, com voz calma mas que revelava profunda emoção, olhando para a senhora rematou de forma pausada: "É bem verdade que quem não gosta de animais não pode gostar de pessoas".

O cachorrinho é hoje uma linda cadela de três anos de idade, bem tratada, querida e meiga. O dono dela é o nosso homem que se viu em grandes dificuldades para amamentá-la a biberão em intervalos de duas horas até às seis semanas de vida.

Direitos dos animais? Respeito pela vida? Reconhecimento que a vida é algo que não nos pertence? Tudo isso são conceitos estranhos para uma grande e significativa parte dos homens e mulheres deste mundo.
Não podemos, desta forma, admirar-nos do que os homens fazem aos seus semelhantes, porque, na verdade, quem não gosta de animais não pode gostar de pessoas.»


.

OS REVESES DAS CONCORDÂNCIAS

Nem tudo o que brilha é ouro,
nem tudo o que parece é,
e por aí fora...

A discordância entre Pedro Passos Coelho e Paulo Portas... Hum...
Esta divergência que agitou hoje as águas, e os lamaçais, entre os activos políticos e a ávida comunicação social pode ser a evidência de agitadas correntes profundas, como poderá ser um mero ondular superficial após umas pedritas atiradas ao charco
Não sei, digo eu...
Não é só o Prof. Marcelo que gosta de construir, ou constituir, factos políticos.

Não percebo bem aquelas caras de "G'anda bronca" com que abriram os telejornais, mas é natural, há tanta coisa que eu não percebo bem, sobretudo nos telejornais.
Pois. Mas eu gosto de uma agitaçãozinha, gosto de uma discordância saudável...
E também gosto, depois, de ver os chicos--espertos a engolirem os sapinhos todos.

A discordância é boa, trás luz e ideias, anima as hostes, afirma pluralidade e aguça o engenho.
Às vezes a discordância nem o é, trata-se apenas de um mero exercício técnico ou tático.
Um governo, mesmo que, de coligação não tem de ser um espelho da irmandade "Dupond et Dupont" das histórias do Tintin. Essa versão pode até tornar-se bastante ridícula e inverosímil, como adiante demonstrarei.

Esperemos para ver... Não vale a pena pintar já a manta


Dizia, lá mais acima, que adiante demonstraria como a concordância se pode tornar bastante ridícula e inverosímil... Atentai pois no vídeo abaixo e vejam lá se os cânticos a uma só voz não se podem  tornar hilariantes.  Viva a discórdia!

video



.

COISAS DO MEU BAIRRO

Parece anedota mas não é.

Há pouco fui a uma lojeca aqui ao pé que vende frutas e legumes, cigarros, detergentes e coisas outras. O balcão com a caixa fica logo à entrada da porta.
Comprei os meus cigarritos e, enquanto aguardava o troco, um velhote chegou-se à entrada e perguntou-ME:


- "Tem cenouras?"


Respondi-lhe apontando para o vendedor:


- "Eu não tenho mas este senhor talvez tenha..."


Diz-me o velhote com um ar furioso:


- "Não precisa ser malcriada, vá gozar com a sua tia",
  e afastou-se resmungando, "Então não querem lá ver, malcriadona..."


Da fama não me safo!