.

.
.
.
.
.

QUANDO A RAIVA AO OUTRO É MAIOR DO QUE O AMOR-PRÓPRIO

Eu não sou fan do Paulo Bento, nem deixo de ser. Aqui para o meu lado é mais "eu sei lá quem é o Paulo Bento"; Agora já sei, claro, para mal dos meus pecados não passei o último mês numa ilha deserta. Não faço ideia se o homem foi bem ou mal escolhido mas, nesta altura do campeonato, muito propriamente dito, acho que está a fazer um bom trabalho, ele e a equipa que seleccionou. Tenho gostado de ver jogar a selecção portuguesa, mesmo quando não ganhou. Ontem deliciei-me, foram dois golitos, que podiam ter sido quatro ou cinco, para já não falar do outro, do malvado que estava "fora de jogo".
Vem isto a talho de foice por causa de umas declarações que ouvi hoje de manhã feitas pelo tal Paulo Bento. Dizia o seleccionador que:

«Nem todos em Portugal ficaram felizes com o apuramento, mas já estarão "a afiar as facas e comprar cachecóis da República Checa"
 "Às vezes dá a ideia que somos todos uma cambada de incompetentes. Era bom que não pensassem que temos de aprender tudo. Jogámos contra o finalista do último Mundial (Holanda) e com o semi-finalista do último Mundial (Alemanha)".

"A campanha não acabou. Alguns estavam desejosos que a campanha acabasse hoje. Deixem os jogadores em paz. Critiquem o treinador. A maioria do país está feliz. Outros estiveram tristes"»

Pois é, Paulo Bento, acho que o senhor está coberto de razão, os "Tugas" são assim, mesmo que alguém esteja a fazer um bom trabalho a favor da "Tugolândia", se calha ser alguém que não gramem torcem contra si próprios com fervores desmedidos.
E não é só nos "futebois", antes fosse - embora me irrite solenemente a nuvem de inveja e desprezo que tantos querem fazer chover sobre a cabeça do Ronaldo, como se o rapaz fosse infalível, como se fosse uma equipa e não um jogador, como se tivesse falhas por não estar disposto a "dar o litro". Adiante, não quero ir por aqui (mas ontem até me lambi por ser ele a marcar os dois da vitória)


Dizia eu, não é só nos "futebois", é em tudo, em especial no que é de facto fundamental para o país, naquilo em que se mete pelos olhos dentro que todos nós temos vantagem em puxar todos para o mesmo lado. Mas não...
"Se aquele gajo está a puxar para aí comigo não contem, e mais, vão ver que isto não vai resultar (e queira toda a corte celestial que dê para o torto...)"
Ultrapassa-me...

Eu acredito que Portugal vai chegar a bom porto, não vai "morrer na praia".
No campeonato da Europa estamos nos quartos de final o que já não envergonha ninguém; a grande "Laranja Mecânica" holandesa teve três derrotas e está a caminho de casa. Isto não é importante, é uma alegriazita e faz bem ao desgastado ego lusitano.
E no resto, o que é realmente importante?
O resto também lá irá. Apesar de todos os "Velhos do Restelo", apesar de quantos puxam para baixo numa altura em que o esforço para empurrar para cima é dia-a-dia posto à prova, apesar de uma comunicação social que espalha uma informação de medo, descrédito e desânimo dando relevo ao muito que está mal e omitindo o muito que nos trás resultados, força e esperança. Apesar de...
Eu acredito em Portugal.

1 comentário:

Laurus nobilis disse...

Sinceramente, até acho que o futebol é um jogo básico, que alguns artistas com talento disfarçam, tornando-o inacessível ao comum dos mortais. Estou a gostar!...