.

.
.
.
.
.

Aãããã? Aaahg! Gruuunfff...

Segunda-feira, 7h15AM

Levanto-me, dou um murro na cabeça do Winnie-the-pooh (despertador) – a música pára e o Winnie diz com ar jovial: “GOOD MORMING!” – respondo com a mesma palavra de todos os dias (não devo escreve-la aqui, talvez frente à entrada da residência oficial do primeiro-ministro fosse mais apropriado mas estou certa de que iria presa).

Volto para a cama, como sempre.

Quinze minutos depois o despertador do télélé dispara – aaahg, vai voltar a disparar daqui a dez minutos; deixo-o a barulhar sem forças para estender o braço e carregar na tecla vermelha.

Dez minutos depois, que pareceram dois, a cena repete-se. Aaahg, outra vez, só mais dez minutos... lá vai o miúdo chegar atrasado, não pode ser... só mais cinco... entro na fase de negociação que tem duas vantagens: fico no quentinho enquanto argumento e contra-argumento comigo mas também me ajuda a recomeçar a raciocinar, dentro da medida do possível; só ainda não arranjei uma maneira de conseguir convencer-me a abrir os olhos. Vá, tem de ser...

De olhos fechados, enjoada de sono, arrasto-me até à casa de banho, acendo a luz – aaahg , enganei-me! Apago-a e acendo a outra, a vagamente suportável. Olho para a torneira e tento lembrar-me do que devo fazer a seguir. Abro a água e luto para me manter em pé durante aquele minuto, que pode ser fatal, enquanto espero que a água aqueça. A porta mal encostada abre-se:

- Bom dia mamã, SURPRESA!
- Aãããã? Hoje acordaste sozinho?
- Claro, estou de férias! Não te lembras?
- Aãããã? Aaahg.... Aaahg.... Férias...pois...


Fecho a torneira embora comece a ver o lado obscuro daquela situação que poderia ser tão agradável.

- O que é que estás a fazer a pé? Hoje não tens sono? Não estás a morrer de sono?
- Mamã, ouviste o que te disse? Estou de férias! Achas que vou ter sono?
- Ouve lá, falta ¼ para as 8, claro que tens sono! Vai dormir mais um bocado.
- Não tenho sono, quero levantar-me.
- Aaahg.... mas porquê?
- Mamã, porque estou de férias... Tenho de aproveitar, não é? Tu não ficavas preocupada se eu saltasse assim da cama nos dias de escola? Achavas normal?

Desmancho-me, completamente!


Visto-lhe o roupão, dou-lhe o leite e anuncío decidida: Vou dormir uma hora até chegar a Luísa. Quando me (re)encaminho para o meu quarto a Luísa abre a porta de casa e diz com aquele ar jovial que eu não consigo entender a estas horas:

- Boôom Díííiaaa!


Aaahg! Gruuunfff.


- Bom dia Luísa. Veio às 8h porquê?
- 8h, menina? Então não mudou a hora?
- Aãããã? Aaahg! Aaahg..... Aaahg... Desisto!
- Desiste de quê menina?


A segunda boa pergunta desta manhã alucinante... também sem resposta.
Ai Garfield, só tu me compreendes. Volto para a casa de banho e abro a torneira
....
Gruuunfff!



5 comentários:

Emiele disse...

Está delicioso!!!!

Mas esta mudança «para trás» até eu que gosto das manhãs e acordar cedo custa a engrenar... Não gosto de acordar com escuro, mesmo que já não tenha sono.
E, é muito bem observado, mas os miúdos de férias adoram acordar cedo! Que coisa.

Alex disse...

Pois, que coisa! Aquele pirralho a perguntar-me se eu acharia "normal" ele saltar da cama para ir para a escola? E ver uma hora de soninho pecaminoso a fugir-me entre os dedos...
Há manhãs muito violentas.

O Pinoka disse...

Tal e qual. A diferença é que a pinokinha ainda é mais difícil de levantar que eu e mesmo de férias tem que se levantar cedo, não pode ficar sozinha, um problema acrescido.
Beijocas

Anónimo disse...

Mãe sofre!
Não desanimes daqui a 23 anos os problemas são diferentes!
Como me identifico com o garfield às 2ª feiras!
Nanita

Alex disse...

Pinoka,
as crianças do nosso tempo pagam, desde que nascem, os custos sociais. Que raio de sociedade a que nós construimos...

Ai Nanita,
o Garfield é o meu guru 5 dias por semana e o meu "companheiro de equipa" ao FDS
Quanto aos "problemas"... não desanimo, sei que ainda estou no princípio da corrida, mas às vezes cai-me o queixo com as respostas do fedelho.