.

.
.
.
.
.


Respira, também por mim, esta tarde no Terreiro do Paço; depois lança um sopro ao Tejo, como se fossem rosas brancas.

Sem comentários: