.

.
.
.
.
.

O MEU RITMO SOLAR

Vários amigos já me escreveram e telefonaram a perguntar se eu estou bem, se estou doente, se há algum problema... Porque pouco tenho escrito por aqui, no blog.
Nã,nã, nada disso, está tudo bem

O que se passa é "o problema do MEU ritmo solar"; isso mesmo, eu explico.

A maior parte da humanidade é composta por pessoas que funcionam melhor durante o dia, que, com mais ou menos esforço, se levantam cedo sem que isso constitua um grande drama. Muitas desta pessoas até gostam de se levantar cedo, trabalham melhor de manhã, pela fresquinha... Algumas há que até se levantam mais cedo do que necessitam e vão correr, tomam um bom pequeno-almoço com toda a calma, etc. São as cotovias.

A mim que, sou uma coruja, isto faz-me uma enorme confusão, por muito mais saudável que admita poder ser.

Eu sou uma coruja congénita, hereditária, biológica, o que queiram. Sou uma coruja desde que me lembro de ser gente. E não me venham cá com conversas dizendo que é uma questão de reeducação horária, não é. Levei anos infinitos a ter aulas às 8 horas da manhã, nunca me adaptei.

Sempre estudei pela madrugada dentro, sempre trabalhei melhor durante a noite, sempre tive mais energia, física e mental, durante as horas nocturnas. Sou assim.
As manhãs são um frete, estou rabugenta e penso mal. Não gosto de almoços, gosto de jantares.

Sem as normais pressões diárias sinto-me bem quando adormeço pelo nascer do sol, fazendo uma pequena soneca quando o sol se põe; é o meu ritmo solar.

Agora que tenho um filho que tenho de deixar na escola às 8h30 seguindo-se o dia pela frente, a coisa torna-se mais exigente. Não posso chegar a casa e atirar um sapato para cada lado e render-me ao "não quero saber de mais nada". Há trabalhos de casa, banhos, jantar, conversas... Não dá para me enfiar na cama a dormir até à meia-noite e depois comer a primeira coisa que me vier à cabeça nem para passar a noite fazendo do meu tempo o mais me aprouver. Pois, não dá.

Moral da história: desde o início do ano lectivo até ao seu final vou acumulando deficits de sono e descanso com umas curtas tréguas pela altura das férias do Natal e da Páscoa. Quando chego a esta altura, para lá de meio do terceiro período escolar, já estou muito saturada e a deitar os bofes pela boca.
Acresce que este ano não tem sido propriamente fácil - também não é propriamente difícil mas é mais complicado, mais trabalhoso, com mais preocupações. Nem me estou a queixar, é assim, tem de ser, ok. Mas lá que cansa, ah pois que cansa.

As horas de sossego, a seguir ao meu filho ir para a cama, que eu costumo usar para várias coisas entre as quais arejar a cabeça escrevendo aqui no blog, são nesta altura horas em que já não tenho estaleca senão para o estritamente necessário - como aquela actividade profundamente intelectual que é meter a roupa na máquina sem misturar os "brancos" com os "tintos" - ou parvalhar na horizontal frente à televisão papando tudo o que são séries policiais e afins até conseguir que o sono me vença a horas não demasiado tardias... E esta parte nem sempre é fácil, para uma verdadeira coruja como eu.

Pronto, está explicado. E está tudo bem, o ano lectivo termina a 29 de Junho; depois não será o paraíso mas a vida torna-se bastante mais simples em termos horários e, consequentemente, energéticos.


.

4 comentários:

Nanita disse...

Alexandra,
como te entendo!
Criar um filho com todas as restantes responsabilidades (estudos, profissão, casa, apoio a familiares) é dose!
Para quem tem horário nocturno deve ser bem mais complicado!
Coragem mulher já falta pouco para acabar mais um ano lectivo.
Aindas hás-de ter saudades destes tempos!
bjs, Nanita

Alex disse...

É, é dose, sobretudo assim, "one-woman-show" (embora seja assim que eu quero)
Claro que vou ter saudades, como tenho do ano inteirinho que passeia a dormir aos bocadinhos quando o Luís era bebé.
Sem dramas, não é nada que mate - mas às vezes desmoraliza, até ao fim-de semana seguinte.
Beijo.

Laurus nobilis disse...

Estou mais do lado das tais cotovias, mas percebo lindamente o enquadramento... A mim, faz-me falta conseguir ler com calma e ir ao teatro... Há quanto tempo... Televisão é coisa que cada vez vejo menos... 70 ou 80 canais e quando vejo, acabo normalmente no NG selvagem, no história ou no RTP memória, desde que não pareça o Júlio Isidro! Também gosto de uma série que se chama "ossos" salvo o erro, mas que raramente consigo acertar no dia e na hora.

Alex disse...

Eu julgava que o Isidro aparecia mais no NG do que na RTM-M... Provavelmente confundi algum familiar com ele, ia jurar que o havia visto numa selva equatorial.
Ler... bons tempos em que fazia disso uma actividade quotidiana; agora dou por mim a voltar atrás e a reler a mesma página para não me perder. Vingo-me nas férias, leio noites inteiras até o sol nascer e sinto-me no céu.

"Ossos", é das que acho piáda, a personalidade daquela fascinante doutora é deliciosa.Apanho-a na Fox a horas tardias: 23h15, 1hAM, 1h45AM... Creio que dá quase todos os dias.
Experimente procurar aqui: http://www.vodafone.pt/main/Particulares/tv-net-voz/IPTV/Guia-TV.htm
e escreva "ossos" na caixa de busca no em cima à direita.

Um abraço.