.

.
.
.
.
.

PINGOS DE FEL

Já não posso ouvir falar no Pingo Doce; que ridículo! Não pelo Pingo Doce em si, que é para o lado que durmo melhor, mas pelas fitas feitas em torno de um tema que não dá para o filme que se tem vindo a impingir como uma grande fita de "filme noir" político.

Citando de AQUI:

«Foi uma acção política para virar consumidores contra trabalhadores»
Consumidores contra trabalhadores? Mas afinal quem é que aproveitou os descontos do Pingo Doce? A mini-minoria de consumidores que vive consumindo sem trabalhar? Ai que os meninos não se enxergam... Aliás não enxergam nada.Basta ver as imagens dos consumidores que acorreram ao super-mercado para tirar conclusões. Se fosse uma acção política, ó gente,  teria sido divulgada com antecedência, ou julgarão que a Jerónimo Martins brinca em serviço? 
«É uma campanha de manipulação ideológica e de intervenção política»
Pingo Doce ao parlamento! Vota Jerónimo Martins!

Como é que isto se resolve? Já há uma proposta de proibição de abertura dos hiper-mercados no 1º de Maio. Ou seja, passa-se um atestado de menoridade ao Zé-Povo e acabou a conversa, não tem nada que poder decidir o quer fazer no 1º de Maio. Mesmo que queira ir fazer as compras que lhe aprouver está proibido. Pois claro, é ofensivo, diria mesmo imoral. Viva a liberdade!

Se há coisa que me chateia é quando uns pseudo-democratas arvorados em donos da democracia querem - exigem - impor ao mundo a sua forma de ver as coisas, a sua ideologia, aquilo que lhes é importante por razões claras ou sub-reptícias.  Em democracia o desacordo é tão válido quanto o acordo e a tal liberdade de escolha é para tocar a todos, não apenas aos "donos da democracia" - «se não pensas como eu não és democrata nem respeitas a liberdade alheia» - caríssimos, NÃO É VÁLIDO. Santa paciência! Esta atitude nem chega a ser revoltante de tão ridícula, infantil, birrenta e, sobretudo, ressabiada que é.

Numa altura em que, mais do que o costume, anda tudo sem xeta há quem, voluntariamente, queira trabalhar num feriado - pago a 300%, com recompensa de folga e prémio de vendas - pois, mas há quem se chateie imenso com isto, que se sinta afrontado, que se indigne com o desrespeito pelo 1º de Maio e pela classe trabalhadora. Desculpem a minha franqueza mas vão-se encher de moscas, sim?
O 1º de Maio não é uma vaca sagrada; não é crime, nem sequer ofensa, trabalhar no 1º de Maio, sempre houve quem o fizesse sem que o facto constituísse assunto de notíciarios ou, mais idiota, tema escarlate de discussão parlamentar. Não há pachorra.

A esquerda afogou o 1º de Maio nas suas contestações à "Jerónimo Martins": ninguém fala das manifs, das comemorações, dos discursos, só se fala do Pingo Doce. Bem... pelo que eu vi das comemorações do 1º de Maio... provavelmente a campanha do Pingo doce até deu jeito, muito jeito.
As redes sociais, e não só, encheram-se de críticas e piádas dúbias, meio mundo falou de "dumping" como se soubesse muitíssimo bem do que estava a falar e de que seria evidente tratar-se do caso.O assunto está investigado, julgado e a sentença dada. Vivemos num país de especialistas em marketing e economia. G´anda noia!

E a ASAE? Esta então só mesmo para rir. A contestadíssima ASAE, pelos seus métodos e modus operandi, pelos rumores de corrupção, pela prepotência e regras absurdas, tem sido alvo de rejeição e antipatia pública; aah mas agora não... Apela-se à ASAE e à sua malfadada fiscalização porque agora há que arrear onde se quer morder.

Ah mas é a defesa do consumidor que está em causa... Vá lá, não me façam cócegas que eu fico com soluços. O consumidor que fez compras no valor de 100 euros só pagou 50 e isto, nos dias de vão correndo, sejam quais forem as campanhas por detrás e doa a quem doer, é defesa do consumidor.  Ponto final.
Ah mas é a defesa dos direitos da concorrência... Vá , já pedi para não me fazerem cócegas. Ou vamos todos fingir que se transformou este 1º de Maio numa jornada de luta contra as injustiças concorrênciais, esqueçamos a ignorância de os outros dias todos do ano. E é só o Pingo Doce? Onde estão os outros? (Presentemente o Continente/Sonae tem a decorrer uma campanha de desconto de 75% em cartão - 50% num mês e 25% no mês seguinte e parece que ainda ninguém levou o assunto à Assembleia da República; a IKEA tem 300 produtos a 50% durante este mês e parece que ainda não apareceu a ASAE para inspecionar os contraplacados)

De lamentar não é que uma cadeia de super-mercados faça uma grande promoção no 1º de Maio, de lamentar é o comportamento do "Tuga" no meio desta história.
Por um lado o "Tuga-classe política" que tanto ateou fervores ridículos e mesquinhos;
Por outro o "Tuga- consumidor", que é capaz de espraiar insulto, senão estalada, por força de mais uns enlatados ou de umas embalagens duplas de champô...
Mas esses são os Tugas que temos e com quem vivemos o ano inteiro, por todo o lado, particularmente nos centros urbanos onde escasseia a urbanidade.


Por último, em relação à campanha Pingo Doce só tenho a dizer o que digo em minha casa: "Cá em casa vigoram as minhas regras, quem não gostar não venha cá".

Sem comentários: