.

.
.
.
.
.

PARA O MEU AMIGO INCONDICIONAL

Sábado, 22 de Outubro

Abro o computador, ligo a net, dou uma trinca na tosta, espreito o e-mail e entra o meu filho:

- Mãe, tens o teu blog aberto?
- Não, porquê?
- Por acaso já passaste para o computador as fotografias que te pedi que tirasses ao Steiner no dia dos anos dele?
- Hum... ainda não
- Então ainda não estão no blog, né?
- No blog? Não, não estão
- Mãe, o Steiner fez dois anos há três dias e tu nem sequer puseste uma fotografia dele no blog... E o coitado até julga que tu és mãe dele, até dava a vida por nós...
(engulo em seco; faço um silêncio comprometedor)
- Está bem, vai buscar a minha máquina fotográfica e vamos os dois escolher umas fotos para fazermos um post de " Dia dos anos do Steiner"
- A sério? Agora?
- Agora, vai lá.

Então vamos a isto:

O dia 19 de Outubro começou (ainda) mais cedo do que o habitual; fomos soltar o Steiner durante uns bons dez minutos mas ANTES de o Luís ir para a escola. Claro que depois de deixarmos o Luís na escola teve direito ao seu habitual passeio matinal prolongado



À tarde, quando voltamos para casa, trouxemos uma "pequena" prenda muito roível e gostosa...



E para acabar este dia do segundo aniversário do Steiner
foi a "mimalhada total".



- Ó mãe, ainda podemos pôr mais estas fotografias em que o Steiner estava tão contente?
- Podemos se não forem muitas...
- Então podiamos pôr esta com aquele cão amigo dele... E aquelas em que ele estava a posar para a fotografia feito parvo... e aquela com ele à espera que voltassemos para casa... e aquela...
- Pronto Luís, acho que já chega, vamos pôr essas e acabou-se, ok? Acho que o Steiner prefere que o levemos a passear agora.
- Está bem mas então põe essas, não são dos anos mas são recentes, também valem.












































PARABÉNS STEINER

Quando o dono sai e o cão fica só é como se a vida ficasse em estado de suspensão, nada mais existe para além da espera
Quem abandona um cão é como se o matasse... todos os dias, torturando um coração que nunca esquece.


.






.

6 comentários:

Laurus nobilis disse...

Já tive uma... Já lá vão muitos anos... Desde que morreu, não consegui ter mais nenhuma...

Alex. disse...

Bem o entendo Lauro nobilis...
Eu tinha dez anos quando morreu o cão que vivia em nossa casa desde antes de eu nascer e isto marcou-me profundamente.
Eu "não sei viver" sem um cão

O "dia dos anos" do Steiner é um dia emocionalmente complicado: A 19 Out. há 2 anos, pela manhã, disse adeus ao meu amigo canino companheiro de 12 anos. Nesse mesmo dia, pelo fim da tarde, nascia este meu cão numa aldeia da Humgria; sabe Deus como veio parar aos meus braços dois mêses depois.
Ele há coisas...

João Carlos disse...

Ele há coisas mesmo...
Parabéns Steiner e como se costuma dar também os parabéns á "Mãe", parabéns Xana do Titio aqui.

FC disse...

É lindo!
Nunca tive um cão mas ainda vou ter!

Ainda me lembro do que choraste quando o teu 1º cão morreu!
Dizias que ele era como um irmão!

Beijinhos,
Nanita

Alex disse...

Pois é Nanita, é mesmo um lindaço; são 50kg de afecto carinho e melaço pegajoso.

O Drake era mesmo o meu irmão; quando o meu filho foi para o jardim de infância e ouvia os colegas a dizerem que tinham irmãos explicava: "eu tenho um irmão mais velho, é um rottweiler..."

Beijos grandes para ti também
Inté

Alex disse...

Muito obrigada Titio João, a "mãe" babada agradece.