.

.
.
.
.
.

SE EU FOSSE PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Antes que o Cavaco fale venho para aqui desabafar; assim posso dizer tudo o que me passe pela cabeça sem estar condicionada por o que quer que seja Cavaco decida.

O que quer que seja Cavaco decida já vem tarde.

Cavaco sempre teve esta tendência irritante, pelo menos para mim, que gosto de gente que é clara nas suas atitudes e capaz de dar um bom murro na mesa, de esperar pelo fim do jogo para fazer os seus prognósticos... Cavaco aposta numa "salvaguarda da dignidade" do presidente da república que tem prolongado desnecessaria e repetidamente situações dúbias, insustentáveis e prejudiciais para o país. Foi assim no tempo do Zé Sócrates, foi assim com a primeira fase do  governo de coligação  - e Passos Coelho teve a calma e a presença de espírito suficientes para não atirar a toalha ao chão - e, uma vez mais, recolhe-se à contemplação do "processo democrático" num deixa andar asténico e calculista.
(Não sei se é a Maria-presidenta que lhe diz: "Filho, deixa-os andar, não te metas, salvaguarda a tua dignidadezinha". Pois, não sei, mas não me custaria acreditar)

Ainda sem o apuramento dos quatro deputados eleitos pelos emigrantes há duas formações partidárias com força representativa: a coligação PSD/CDS, com 36,84% - que provavelemente chegará aos 37% mesmo sem irmos à "picuinhice" de fazermos as contas aos 5 deputados do PSD eleitos pelos Açores e Madeira equivalentes a 1,50% - e o PS, de momento com 32,36%.

E falemos claro, o resto é conversa; O Bloco com 10% e o PC com 8%. Não foi na esquerda que os portugueses votaram.

Como disse acima, o que quer que seja Cavaco decida já vem tarde.

Cavaco tinha a obrigação de pôr os pontos nos ii's, de ser claro, de colocar a votação apurada em cima da mesa.

Se eu fosse presidente da república...

Que perca as peneiras quem quiser ser primeiro-ministro à conta de aritmética de circo; Não havendo uma maioria absoluta os partidos mais votados que se entendam e viabilizem um governo de acordo com a vontade expressa pelos portugueses, é isso que lhes devem, é isso que têm a absoluta obrigação de fazer. Não é com 10% de um lado e 8% do outro que essa vontade é respeitada, doa a quem doer.
Os portugueses não votaram contra a U.E,, não votaram contra a presença na NATO, não votaram contra o Euro, não votaram pela tomada do país pelo "poder popular" marxista-leninista. Aliás nunca o fizeram.

Mas Cavaco, egocentrico como sempre, permitiu que a equação fosse feita à margem da sua não assumida responsabilidade.

Venha o que vier, um governo de gestão ou um governo à esquerda, querido Aníbal, quando fores já vais tarde.

O Costa tem sido bem claro e contornante: por um lado quer sossegar a populaça e vai afirmando:
«estar preparado para formar um governo anti-austeridade, suportado por uma coligação alargada de esquerda. Esse governo compromete-se a manter Portugal no euro e a respeitar os compromissos internacionais do país.»
Ou seja, um governo totalmente fora das linhas programáticas dos 18% que não se importa de levar a reboque DESDE QUE seja ele o primeiro-ministro, ambição que aliás nem tem a pretenção de disfarçar:
«António Costa assume ao Financial Times que as negociações com o Partido Comunista e com o Bloco de Esquerda "estão mais avançadas" do que com a coligação PSD / CDS. "Não estamos a fazer bluff, estamos a agir de boa fé", sublinha. Por isso, "seria melhor ter um governo liderado pelo PS"
Então e a malta que  quer "manter Portugal no euro e  respeitar os compromissos internacionais do país", e que até votou na coligação vencedora?
Esses que se lixem, são coisas da "democracia", é a vida, o mundo é dos espertos.

Parabéns Costa, valeu a pena tanto dito por não dito, borrifares-te para quem te quis na CML e a traição aos teus companheiros. Não foste eleito mas tens lutado que nem um lobo para poderes ligar à tua mãe: "Mãezinha, estou a ligar-te do meu gabinete, o gabinete do primeiro-ministro. Vês mãezinha,  vinguei-me dos miúdos que me chamavam badocha na escola."

Estiveste bem Aníbal, mais uma vez estiveste bem. Vê lá não tropeces em algum degrau à saída.
Aqui para nós que ninguém nos ouve, olha que nunca me enganaste.

.

Sem comentários: