.

.
.
.
.
.

CONTRASTES LUSOS

Os portugueses têm alguns defeitos gritantes. É verdade. Um dos que mais me choca é a tendência para puxarem a brasa à sua sardinha doa a quem doer, ao melhor estilo "E quem vier atrás de mim que feche a porta".

Há tempos circulou pelos e-mails nacionais o relato de um português que foi à Suécia visitar uma fábrica da Volvo. Um sueco foi busca-lo ao hotel e deu-lhe boleia pela manhã. Chegaram à fábrica cedo, antes da hora de entrada ao trabalho. O bom sueco estacionou o seu carro longe da entrada do edifício. O bom português perguntou se os lugares junto à entrada se destinavam à administração. Nada disso, respondeu o sueco, deixa-se os lugares perto da entrada para quem chega mais tarde e com mais pressa, nós temos tempo para andar com calma até ao edifício. Óbvio.
Óbvio para sueco... Para português é óbvio que quem chega cedo "tem direito" aos melhores lugares, ou "viessem mais cedo".

Contrastante com esta mentalidade profundamente enraizada no português há porém uma generosidade e uma capacidade de ser solidário que, mesmo nos dias que vão correndo, não deixa de ser uma caracteristica do povo português.

Este fim de semana último decorreu mais uma recolha de alimentos para o Banco Alimentar Contra A Fome.
Já todos sentimos que as contas de super-mercado subiram, subiram e não foi só um bocadinho, subiram mesmo, a cada vez que chegamos à caixa constatamos que subiram.
Seria de esperar que as contribuições de produtos alimentares descessem consideravelmente este ano; era esperado pela organização dos peditórios. Pois, mas não foi assim.
As pessoas, os portugueses, têm sentido que os alimentos custam mais euros; e se custam mais euros custam mais a todos, e chegam menos àqueles que não têm euros para os adquirir. Doi a todos e a uns doi mais do que a outros, sobretudo àqueles que estão "no fundo da cadeia alimentar", os que recebem o que lhes dão e ponto final.

«O Banco Alimentar contra a Fome angariou quase três mil toneladas de alimentos na campanha que decorreu, no fi m-de-semana, em supermercados de todo o país. O resultado foi semelhante ao do ano passado, o que superou as expectativas, dada a redução do poder de compra dos portugueses.
“O balanço é muito positivo. Foram recolhidas 2.950 toneladas de alimentos nos 19 bancos em actividade e houve uma adesão muito entusiástica entre os voluntários: houve muito mais pessoas que acorreram para ajudar. E muitas pessoas tinham comentários do
género ‘não posso dar tanto, mas não posso deixar de dar e colaborar convosco no armazém’, o que fez com que não houvesse um decréscimo tão substancial como eu previa”, disse à Renascença a presidente da Federação de Bancos Alimentares, Isabel Jonet.

Mais de duas mil instituições de solidariedade social vão receber os alimentos recolhidos para os entregar a mais de 300 mil pessoas com carências alimentares.
A contribuição dos portugueses pode ainda ser feita “até dia 4 de Dezembro, através de um vale nos supermercados ou online, onde têm ainda a possibilidade de doar um cesto de produtos básicos”»
In "Página 1", 28/11/11


Eu gosto dos portugueses. Em questões de cidadania e urbanidade tiram-me do sério, tocam as raias do desrespeito com a maior das facilidades mas têm qualidades de um enorme humanismo e essas são de facto as fundamentais. Antes assim.

3 comentários:

Maria Pitufa disse...

Eu percebo perfeitamente!!! Ele há coisas que me irritam, há outras que adoro...e chego à conclusão que são estes contrastes que fazem este país à beira mar plantado tão especial!!!

Alex disse...

Pois é Maria Pitufa, é de facto um sítio especial e, na maior parte das suas caracteristicas, absolutamente único.
Volte sempre.

Laurus nobilis disse...

Na parte que me toca, não é uma questão de contrastes, é mesmo uma relação de amor-ódio...