.

.
.
.
.
.

É D'HOMEM!



«O juiz Rui Teixeira, que conduziu a instrução do processo ‘Casa Pia ’e que agora está
colocado no Tribunal de Torres Vedras, não quer os pareceres técnicos sociais com o novo Acordo Ortográfico. Os pareceres (relatórios sobre a situação social dos envolvidos em julgamentos) são elaborados pela Direcção Geral de Reinserção Social.

Em Abril, a DGRS recebeu um pedido de relatório social acompanhado de uma nota:

 “Fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011 (…) a qual apenas vincula o Governo e não os Tribunais”.

Os serviços da DGRS pediram um esclarecimento e Rui Teixeira respondeu:

 “Não compete aos Tribunais ensinar Leis aos serviços do Estado. É de presumir que a DGRS tenha um serviço jurídico e se não o tiver o Ministério da Justiça tem-no de certeza”

"A Língua Portuguesa não é resultante de um tal «acordo ortográfico» que o Governo quis impor aos seus serviços',  acrescentando,  "nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário", 

escreve o Correio da Manhã. »

"Diário de Notícias" - 26 Maio, 2013

____________________________________

Esta louvável atitude, embora com mais graça e mais incisiva não é, no entanto, nova: em 2012, um juiz do 2º Juízo Cível do Tribunal Judicial de Viana do Castelo escrevia assim:





2 comentários:

Laurus nobilis disse...

Fantástico! Não sabia que este tipo de "resistência" existia na Administração. Estou com eles!!! A minha esperança é que esta palhaçada ainda possa regredir, já que segundo penso saber, fomos o único país da CPLP que subscreveu o acordo.

Alex disse...

Resistência vai avendo, conheço vários casos, mas ninguém se desembrulha desta embrulhada; ainda há poucos dias o Brasil voltou a adiar o malfadado "Acordo". O nosso actual 1º, quando escreve, enquanto Pedro P.C., no facebook, escreve em português correcto mas depois não há retorno por parte do governo nem da Assembreia. Muito podre deve estar ligado a esta pimpineira acordeza...