.

.
.
.
.
.

PARECE IMPOSSIVEL, COITADO DO HOMEM!

José está chateado e com muita razão!

Depois de tanto trabalhinho, tanto empenho, depois daquele abraço ao Manel (sim, o Manel presidente da comissão) quando, perdido de contentamento lhe escapou aquele tão sincero, e significativo,
"PORREIRO PÁ", então agora os irlandeses lixam o esquema da unanimidade.

Não se faz isto AO JOSÉ!

Eu acho que os irlandeses deviam reconsiderar e fazer uma segunda volta ao referendo. Era o mínimo, a bem da carreira política de um tipo que, à conta disto, talvez, já não fique na História de Portugal. E da Europa. (para ser modesta, vá)

E mais, razão tinha José quando achou que isso dos referendos só serve para arranjar chatices. Imagine-se, um referendo... Quando se tem uma maioria há que aproveita-la até ao último dia: ratificação na Assembleia e já está, aprova-se o Tratado. Submeter o Tratado ao julgamento do povo? Essa agora, o povo sabe lá o que estabelece o Tratado. Nem vai saber; nem vale a pena perder tempo a tentar explicar. Aprovou-se está aprovado. E agora os ignorantes dos irlandeses...

Não, não é piada e se fosse era de mau gosto, coitado de José.

Olhem lá o relato:

"Foi Mota Amaral quem lançou o tema esta quinta-feira, quando questionou o primeiro-ministro, durante o debate quinzenal no Parlamento, sobre o referendo ao Tratado de Lisboa, na República da Irlanda, mas a discussão continuou mais tarde, com a deputada dos Verdes.

«Por que não pediu aos irlandeses para votarem sim ao Tratado de Lisboa», como fez o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, ou o presidente francês Sarkozy?, questionou o deputado social-democrata.

JoséSócrates respondeu ao antigo Presidente da Assembleia da República e a frase acabou por gerar uma disputa animada entre o primeiro-ministro e a deputada Heloísa Apolónia.

«O Tratado de Lisboa é absolutamente fundamental para o Governo, é fundamental na minha carreira política. Como é que o senhor deputado lhe pode ter ocorrido que o referendo na Irlanda me era indiferente», disse Sócrates a Mota Amaral.

«Então foi por isso que foi negado um referendo aos portugueses? Para não pôr em causa a carreira política do engenheiro José Sócrates?», questionou a deputada Heloísa Apolónia, ouvindo do primeiro-ministro uma resposta dura.

«Está a fazer julgamentos desses? Não me julgo à sua medida; eu não faço nada em prol da minha carreira política. O que eu disse foi como é que a alguém poderia passar pela cabeça que não tinha preocupações sobre o que estava a acontecer com o referendo? Considerei que o tratado foi um marco na minha carreira política».

in "Portugal Diário - IOL"

http://diario.iol.pt/politica/governo-parlamento-jose-socrates-tratado-de-lisboa-irlanda-verdes/962085-4072.html

Sua...

Sem comentários: