.

.
.
.
.
.

BANHINHO, JANTARINHO, CAMINHA - UFF, QUE ALÍVIO!

O meu filho, que em Setembro irá para a 1ª classe, teve até agora três "educadoras" de infância, uma por cada ano lectivo. Nenhuma delas se prendeu d'amores comigo. Pode acontecer que eu seja de facto "ingramável" de um modo geral mas estou convencida de que, no que se refere a "educadoras", sou um caso particular e, no que toca à senhora que "nos" calhou este ano, o sentimento é de tal forma mútuo que chega a ser romântico.

Aliás já em Fevereiro passado, pelo "dia dos namorados", expressei aqui o meu afecto (quando baralhei tudo e julguei que era namorada do meu filho, perigando a minha função de mãe e ainda meti o pai natal à mistura com a agravante de o fazer fora de época) - http://alexilr-realgana.blogspot.com/2008/02/este-um-post-invulgarmente-comprido-mas.html#links

Mas a questão que agora me leva a pensar por escrito ao longo destas linhas não é pessoal nem envolve alguém em particular. Infelizmente é demasiado generalizada para que se possa personalizar.

Hoje foi o dia do pic-nic de fim de ano para as crianças das classes infantis e pré-primárias lá da escola: levam almoço, vão para um espaço verde, brincam, pulam, correm. E, é suposto, ficarem exaustas. (Hum... nem todas...)

Fui buscar o Luís ligeiramente mais cedo e ainda estava na sala de aula, proporcionando-me a feliz oportunidade de encontrar a Mestra.

A Mestra muda e queda, após o boa-tarde que manda a regra.

Logo chegou um avô, que ficou à porta da sala, a meu lado, enquanto eu, pacientemente, aguardava que o Luís se despedisse de. Cada. Um. Dos. Colegas. Com. Um. Aperto. De. Mão... Vem de lá a Mestra cumprimentar o tal avó, não esperando que eu ali permanecesse tanto tempo. Um pouco encalacrada gracejou:

- O Luís é um gentleman. (estaria a "comprar-me"?)

- Faço o que posso, rosnei eu amavelmente.

Ela podia ter ficado por ali de conversa, mas não:

- Hoje é tomar banho e metê-lo na cama...

Calei-me.

- Hoje brincaram tanto que é um banhinho e metê-lo na cama...

Rosnei para dentro, calada.

- Hoje é que é mesmo dar-lhe banho e metê-lo na cama...

- Pois, sempre se poupa um jantar, rosnei audivelmente, muito burra sem perceber a Mestra.
E pirei-me!

A principal razão pela qual as "educadoras" não me têm nas suas boas graças é por partirem do princípio, errado, de que eu me estou "nas tintas" para elas que não tenho consideração pelo seu trabalho.

E isto por quê? Porque o Luís chega à escola à hora que eu acho que deve chegar, ou seja entre meia a uma hora mais tarde, excepto quando há algum acontecimento ou aula especial. Não se trata de teimosia ou comodismo. A questão é outra e prende-se com uma decisão que tomei.

Quando o Luís entrou para a escola, ainda de fralda e chucha, foi porque achei que lhe faria muito bem estar com outras crianças, conhecer pessoas fora do "casulo", e passar os dias em casa com a empregada não era a melhor opção - mesmo se fosse comigo continuaria a não ser a melhor opção.

Decidi também que, enquanto estivesse no jardim-escola, não deixaria de estar comigo, e com as pessoas que frequentam a nossa casa, o máximo tempo possível dentro dos limites que considero limites. Decidi que, as raríssimas vezes que saio à noite que ele estaria comigo, ainda que isso pudesse "limitar" também o meu tempo de saída. Decidi que estaríamos juntos para conversar, jantar, brincar ou não, ver televisão ou não, sem a obrigatoriedade do "chega a casa - toma banho - janta - brinca X minutos - bilu-bilu, boa noite, beijinhos, vai-te deitar.

Não e não mesmo.

Tenho a abençoada possibilidade de ir buscar o meu filho à escola a horas que me permitem estar com ele sem ser "a fingir", de não chegar a casa à hora do jantar a pensar que quero é que me deixem, de construir uma relação que vai muito além da correria matinal e das duas horinhas nocturnas.

Embora eu saiba que muitos casos há em que as duas horinhas, ou uma, ou o que fôr, são mais compensadoras e agradáveis do que muitas horas preenchidas com as crianças no quarto a verem televisão ou agarradas aos PC's e às consolas de jogos, ou largadas com "um não me chateies", ou ainda vivências bem piores mas que, pelo menos hoje, não vêm a propósito. A questão não é quantificar, a questão é usufruir do que nos é "oferecido" pela vida.
E não obrigada, não abdico disto por nada, nem por ninguém, e muito menos por um horário escolar que, aplicado a crianças de 3, 4 e 5 anos, tem uma justificação socio-laboral mas não outra.

Claro que conheço os argumentos que defendem que a disciplina começa-se cedo. Conheço várias crianças "disciplinadas" por educações madrugadoras, que mal vêem os pais à noite, e não me parece surtir efeitos particularmente positivos.

Eu própria tive aulas às 8 da manhã durante toda a época liceal, e até depois; às 9 durante a época da primária. Foram muitos anos mas a coisa nunca me disciplinou, está à vista de quem me Vê.

No entanto lembro-me de jantar com a minha família e de me sentir absolutamente integrada como um membro mais da família. Lembro-me, desde sempre, dos amigos dos meus pais, da minha avó, e de sentir que eram meus amigos, que gostava deles, à parte uma ou outra carta fora do, meu, baralho, e estas ligações permanecem ainda hoje - com os que estão vivos e com os que estão algures.
Isto contribuiu para um firme sentimento de segurança, para estabelecer laços afectivos duradouros, para me ajudar a distinguir entre o real e o passageiro, para que soubesse que tinha sempre a quem recorrer. Também terá contribuído para saber que a televisão é "de todos", para perceber que não fazia nenhum favor em levar os cães à rua e dar-lhes comida, para ter a noção de que por muito importante que eu fosse não era a única a ser importante - todas as pessoas à minha e nossa volta eram importantes. A minha vida não era a escola e, já agora, "o que se passa lá fora do meu quarto quando vou dormir". A vida era o todo com todos.

O alheamento tem consequências sobejamente conhecidas, e sofridas, em todos os sentidos.

Não quero insinuar que as crianças que se deitam cedo porque têm de se levantar cedo estão encaminhadas para o precipício familiar e afectivo. Que enorme disparate! Nem tão pouco que isso implica alheamento.
Estou a afirmar que tenho uma vida que me possibilita usufruir de um tempo que me é precioso e que considero precioso para o meu filho. É um tempo insubstituível e sinto-me enormemente afortunada em poder vivê-lo. Se o Luís chegar meia hora ou uma hora mais tarde ao jardim de infância é para o lado que eu durmo melhor, e ele também. Se alguém dormir mal por isso , pois paciência. Não pretendo convencer seja quem fôr nem sequer que concordem comigo, quero é fazer aquilo que, em consciência, considero ser o melhor.


Tenho muita pena mas de manhã, nós por cá, não conseguimos dar gargalhadas, nem ter conversas assombrosas, nem brincadeiras insuspeitáveis. Nem é logo que chega a casa que o Luís me conta dos amigos, dos problemas, dos medos, dos desejos, das coisas que quer saber e entender, das espectativas, etc. e nunca mais acaba.

É ao jantar, é quando faz ronha para não ir para a cama, é na cama para não adormecer. Os momentos que ele e eu retiramos destes atrasos pré-estabelecidos valem largamente os dúbios prejuízos. Nesta fase a escola é importante mas a casa é fundamental, é o embrião do futuro.

Sei que, dentro de menos tempo do que consigo acreditar, ele descobrirá que existe vida para além da casa, da mãe, da família, dos amigos domésticos. Aliás, ele já descobriu mas também sabe que existe vida para além da escola, e prefere-a, porque percebe que é nesta que encontra as pessoas que o amam.

5 comentários:

Humor Negro disse...

Tá mal. Devia ter ido ao banhino e depois directo para a cama sem comer e de preferência com um par de galhetas. A educação à antiga é a solução para formar indivíduos a sério. Toda esta permissividade do Sec.XXI, já se percebeu, só promove inertes sem objectivos e sem vontade de trabalhar.
Mainada!

Alex disse...

Meu querido e insubstituível Humor Negro,

Claro que o puto leva um par de galhetas todas as noites qu´é pa saber quem é q'induca e quem é q´ínstroi. Só não digo isso no post porque há pr´aí umas mariquices que dizem que é ilegal dar galhetas no que nos pertence.
Quanto ao resto, pois que me tiraste-me as palavras da boca; agora a única que me resta é "zingarelho" e dá-me tremuras no lábio superior.

Emiele disse...

Um excelente desabafo, Alex.
Começaste logo por dizer que o LR teve 3 educadoras em 3 anos e com isso está tudo dito. A relação é sempre complicada, nesses casos, porque mesmo que elas fossem excelentes, o diálogo mal começado terminava logo! E vê-se que não deves ter conseguido mostrar o teu ponto de vista, e a partir de um certo ponto a coisa azeda-se definitivamente.
Tu defendeste bem a tua posição. Conheço muitas educadoras que seriam capazes de a entender e abrir uma excepção. Mas, sabes, também entendo o ponto de vista dela. Não sei como é o modelo que lá se usa, mas em muitos lados, as actividades do dia são programadas ao chegar. Se ele chega sempre uma hora depois, nunca irá participar nessa programação, nem dizer o que lhe apetece mais fazer, vai sujeitar-se ao que escolheram. Perde qualquer coisa.
Mas, como eu disse, com uma educadora com outro formato, tudo isso poderia ser estudado, sem tensões nem mal entendidos.

Alex disse...

Eu também entendo o ponto de vista alheio mas é uma questão de dar prioridade a quê. E essa decisão é minha, bem ou mal. Foi uma decisão explicada e não peço o acordo de ninguém, pediria a compreensão - gostaria que isso não implicasse ver a Srª de trombas o ano todo ou afirmações de autoridade "AQUI quem manda sou eu", como aquela cena triste de Fevereiro passado.
Quanto à programação de actividades, esta é mensal e quanto há alguma coisa especial o Luís está lá a horas, esteve sempre.
De resto o que me chateia é o sistema em si: entendo que se salvaguarde o horário de trabalho dos pais, é infelizmente uma necessidade. O que já não entendo tão bem é que, nos casos em que existe a afortunada possibilidade de não se ter de considerar essa limitação, pelo menos se tente entender que existem vantagens a ser consideradas. Nunca houve uma aceitação, foi uma imposição permanente, o que é muito cansativo; e a causa não reside nas actividades dos educandos mas nos complexos das educadoras.
E... Em última análise, um sistema univoco que tem por referência o mal necessário sem considerar as alternativas e direitos dos que se possam situar fora do sistema. Essa é a questão!

Obrigada pelo teu comentário, soube-me bem.

Emiele disse...

Pois é, Alex, felizmente os meninos não são soldadinhos de chumbo, todos iguais e com as mesmas necessidades e... os mesmos pais. São seres em crescimento, de carne e osso, com vidas familiares diferentes.
Claro que uma programação mensal é muito diferente daquilo que eu estava a pensar e que conheço melhor. A escola do teu filho só conheço de nome, mas lidei alguns anos com vários infantários e sei que as educadoras ficavam aborrecidas com as crianças que levadas pelo pai, mãe, avó, madrinha, vizinha, tio, não tinham hora de entrar. Completamente diferente do teu caso, por isso pensei que com uma conversa a coisa tivesse outro aspecto. Mas já o caso da senhora ficar de trombas, ou como contaste, te 'ignorar' diz bastante bem que não seria de boa qualidade...
Os horários mais prolongados - para facilitar a vida das famílias - costumam ser sobretudo da parte da tarde. Há meninos que passam quase 12 horas na escola o que é uma violência.
É uma pena que as educadoras não tenham formação para «ouvir» verdadeiramente as mães, e cooperar o melhor possível. Lucravam todos.

[mas olha que há boas educadoras! :D ]