.

.
.
.
.
.

UMA MANHÃ ANIMADA

Estava esta manhã a trabalhar muito sossegadinha e a ouvir o debate quinzenal que estava a decorrer na Assembleia entre governo e oposição,  mais em "barulho de fundo" do que outra coisa. A partir de certa altura, mesmo sem querer, comecei a dar atenção.
(Não, não vou comentar.)

De repente comecei a lembrar-me dos desenhos animados do "Noddy" - aqueles que não têm filhos pequenos talvez não tenham presente do que falo mas vou pôr aqui uns bonecos exemplificativos.

Este é o Noddy e uns malandrecos

Nesta série com quase tantos anos quanto eu - nascida de livros mais antigos do que eu - há vários personagens com personalidades diferentes e bem vincadas.

Duas das personagens mais divertidas são o Sonso e o Mafarrico. Sobre estes dois não há muito a explicar, os seus nomes esclarecem-nos e, lá porque aparecem juntos não quer dizer que sejam amigos, longe disso, não perdem uma oportunidade de se torpediarem um ao  outro como fazem a qualquer outro que se atravesse incauto nos seus caminhos.


Tive uma epifânia:
Nós, cá no nosso "país dos brinquedos" também temos os nossos personagens que espelham os bonecos do Noddy (e o nosso Noddy).
Alguns nem são espelhados, são clonados; olhem lá:














Eu bem sei que não devo ouvir os debates na Assembleia da República, dá sempre nisto, fico com a mente afectada, ocorrem-me pensamentos dissociados, começo a ver coisas...

Começo a ver a Macaca Marta em todo o lado, rapariga de maus modos, refilona e de sentido de humor pérfido
















Não consigo afastar a imagem do Sr. Lei, no seu quotidiano policiamento vai inventando normas à medida das situações, adaptando a leitura dos factos à conveniência dos objectivos na ausência de um código expresso; com ele tudo é criativamente tácito.



















E não fora um exercitado sentido de humor que se adapta a ler nas entrelinhas dos disparates a graça da vida, a descrutinar na infantilidade de argumentos irracionais quem de põe "em bicos dos pés" ganindo por atenção, enlouqueceria procurando dar sentido àquilo que não passa de um rosnar impotente. É assim, com o Turbulento nada é o que parece e no fundo não tem qualquer importância quando o vemos aos pulos desejando apenas que o sigamos nas suas tropelias imaturas















Não terá sido uma manhã muito produtiva em termos de trabalho mas pronto, uma vez por outra não faz mal ver os desenhos animados, muito animados.
Sobre o que se passou nem vale a pena  comentar
A frase que mais gostei foi dita pelo Sonso, e cito:

« O senhor primeiro-ministro já não tem a maioria neste parlamento» ??? (ai venenoso...)






Sem comentários: