.

.
.
.
.
.

ESTE PASSOU-SE OU JÁ NASCEU ASSIM?

Todas as manhãs, de segunda a sexta-feira, programo a TV para se ligar 15 minutos antes do toque do despertador para amenizar o traumatismo de despertar; Escolho sempre o Euronews porque, entre outras razões tem uma sequência de programação sempre igual que me dá uma boa noção dos minutos que vão passando quando entro em guerra comigo mesma naquela enganadora farsa de "só mais 5 minutos" e me viro para o outro lado enterrando-me o mais possível lençois abaixo.
Ante-ontem não foi diferente, lá me dispunha eu a sucumbir à mandria matinal quando ouvi qualquer coisa que pensei não estar a perceber bem... Muito a custo abri um olho e vi o Hugo Chavez botando faladura, envergando fatinho e gravata como se fosse um senhor.

«Como não apoiar o governo de Bashar al Assad se é um governo legitimo?»
Afinal não era eu que tinha percebido mal, era mesmo o Chavez que expunha a sua loucura ao olhos do mundo com a maior descontracção  durante a primeira conferência de imprensa após a sua reeleição. Falava como se o que dizia fosse a coisa mais óbvia e natural do mundo: reiterava o seu apoio ao facínora da Síria como se falasse de um qualquer líder democrático pronto a defender o seu povo.
«A quem apoiar? Os terroristas?»
 QUÊ? , pensei eu já completamente desperta com os dois olhos bem abertos. O povo sírio é que é terrorista?
«Os que se intitularam Conselho de Transição e que andam a matar gente por todo o lado?»
 Ahh, os revoltosos é que andan a "matar gente",,,
Ok, ficamos esclarecidos: se de hoje para amanhã os  venezuelanos se opusessem a Chavez como os sírios se opõem a al Assad, levavam com uns balásios e uns mísseis em cima para ver se percebiam o que é um governo legítimo. Toma lá que é democrático!
«A revolta na Síria é uma crise que foi planeada como a queda de Muammar Kadhafi (coitadinho, foi uma vítima), na Líbia e os Estados Unidos são um dos principais responsáveis.»
Claro, what else?

Todos sabemos que os EUA são capazes de fomentar e apoiar revoltas noutros países, os EUA e não só; Daí a vitimar Muammar Kadhafi e Hugo Chavez, ignorando totalmente a matança prolongada dos seus próprios povos, a que todos fomos, e somos, presentes, vão anos luz.
Nem os chineses, na sua cínica sabedoria, nem os russos, no seu descomunal descaramento, tiveram túbaros para tanto.
Os russos até podem enviar armamento e kits de mísseis para o governo Sírio a bordo de um inocente avião comercial mas pelo menos fazem-no pela calada, têm alguma noção das conveniências. (Dos chineses não sei, ou estão quietos ou, se não estão, pelo menos ainda não foram apanhados...).
Resta a Turquia que "é mesmo ali ao lado", e já vê dos seus a sofrerem "danos colaterais"; além disso quer ver boa cara ás chefias europeias.
Só me faltava esta, apoiar a Turquia...


Mas o Chavez... Ah pois, o Chavez não olha a "conveniências", diz o que lhe apetece,  defende os seus "amigos". E que amigos o Chavez tem...

Ó Hugo, porque no te callas?




.

Sem comentários: