.

.
.
.
.
.

A LIBERDADE de ensino TEM PREÇO?

A medida chegou discretamente, embrulhada noutros acontecimentos e crises que saltaram para os jornais tomando a primazia e diluindo o seu carácter pernicioso .
Os pais não engoliram, as escolas não se axambraram.

A Ministra disse que nem ia discutir o assunto que não voltaria atrás.
Os pais não engoliram, as escolas não se axambraram.

«Na terça-feira (25/01), a ministra da Educação, Isabel Alçada afirmou que o Governo não vai continuar a financiar “privilégios e lucros” de alguns colégios e adiantou que, se as restantes escolas não assinarem, o Governo encontrará alternativas para os alunos na rede pública ou mesmo noutros estabelecimentos privados que, segundo a ministra, já manifestaram vontade em assinar aquele tipo de contratos.»

A VERSÃO NÃO MINISTERIAL, FALEI DELA, HÁ DIAS, AQUI (EM CIMA DE PEDRA, COICE)

Quando as pessoas se revoltam e se mexem as coisas podem mudar. Porque não se calam. Mas só o sentimento de revolta não chega.

FOTOS LUSA

.

Sem comentários: