.

.
.
.
.
.

JORNALISMOS:

OS GOZADOS E OS GOZÕES

Por razões diversas ultimamente pouco tenho "blogado" mas nestes últimos dias tenho tido uma espécie de febre bloguista, presumo que efeito do valente aumento das temperaturas; sim, no plural, a que se faz sentir em Portugal continental e a da blogoesfera nacional.

Ainda que bufando por todos os poros e bebendo mais água do que o habitual, coisa que deve fazer-se sim mas com moderação, de preferência sob a forma sólida para ir derretendo devagarinho e diluindo-se, a verdade é que estou bem disposta, disposta mesmo a assumir uma atitude de aparente ignorância das vicissitudes mais obscuras da vida, pública e privada.
Como me parece sensato não me mexer muito, não vá dar-me alguma coisinha provocada por desidratação ou até, quiçá, morrer afogada em copos de H2O, tenho surfado animadamente ( pela net, entenda-se) e feito os meus passeiozinhos blogueiros mais compriditos. E bem que me tenho divertido...


Há pouco dediquei uns quantos minutos a uma voltinha pela Imprensa cá do burgo e encontrei coisas espantosas... Não resisto a partilhar duas delas;
Aqui ficam:



1 - Nunca fui fan do Michael Jackson embora reconheça que, dentro do género, o rapaz tinha talento. Terá feito alguns disparates, particularmente no que toca à forma como cuidou, ou não cuidou, da sua saúde. Claro que isso era lá com ele mas morreu prematuramente deixando uma imensa quantidade de fans a chorar baba e ranho.

Pois bem, animem-se, nem tudo está perdido, pelo menos se considerarmos a notícia hoje publicada no "Diário Digital" que, a ser verdade, é de facto estrondosa.
Parece que a situação clínica de Michael Jackson não terá tido o seu ponto final e ainda tem arranjo. (Não estou a brincar, não brinco com a morte seja de quem for)

Lá, no "Diário Digital", diz que Michael Jackson vai ser concertado no dia 26 de Setembro em Viena...

A sério...
Se quiserem mais pormenores, ainda curtos, cliquem aí abaixo:


Michael Jackson: Concerto em Viena a 26 de Setembro


Não bastava já o elevadíssimo nível das provas de Português dos alunos pré-universitários do nosso esquartejado país, agora também temos de encarar com alarvidades linguísticas na Imprensa?
Pela paciência da Santa...



2 - E "Saving the best for last"...
Como é que esta me foi escapar? Tenho de estar mais atenta, isto de ir de férias tem destes contras...
Então não é que me passou totalmente desapercebida a revista "Plenitude" de Julho... Estou certa de que a "Plenitude" nº 73 se irá converter num incontornável ícone desta primeira década do novo século. Vou ter de contactar o editor para ver se ainda arranjo uma ou adoeço de desgosto.


A "Plenitude" de Julho tem uma capa de sonho... Sim, uma foto de José... Aah, mas não uma foto qualquer, é a imagem de José em toda a sua plenitude - bem, quase toda, apesar de tudo José está vestido: de fatinho, gravatinha, colarinho branco abotoadinho e tudo.
Não sei o que virá lá dentro - não da roupa de José, nem tão pouco de José propriamente dito roupinhas à parte, dentro da revista claro está - sei que contém uma entrevista na qual, como habitualmente, José se expõe humildemente de alma e coração.

«Quero uma coligação com o País», diz José...

Ó bom povo, será que passa pela cabeça de José que lhe vai falhar a Maioria Absoluta? E eu aqui toda bem disposta... Até estou a sentir um nó na garganta... ' Tadinho de José, como ele deve estar sofrendo, como deverá sentir-se incompreendido e injustiçado, corroído pelo temor de não mais poder oferecer-nos a sua liderança déspota, digo, individual e livre de acordos inibidores, ele que é um Homem-de-Estado único e não há quem lhe chegue aos calcanhares.

Bem, talvez não seja isso... mas então por que raio é que José havia de querer coligar-se com os portugueses? Hum... não me ocorre...


Seja como for, diga José o que disser, não creio que possa suplantar a fotografia da capa. A doce expressão de José desperta-me sentimentos de uma ternura exacerbada, quase maternais, mas não tanto, ou talvez mais... Aqueles olhinhos de ratinho esperto, o arzinho maroto, matreiro, as covinhas laterais no queixinho contraído contendo um sorriso mais largo do que o que a sua modéstia e temperamento envergonhado lhe permitem mostrar; e aquele dedinho pousado ao de leve sobre a linha do lábio dá-me vontade de lhe fazer um "Bi-lú-Bi-lú-Biluzinho"".
Será que me conseguem compreender? Estou certa de que sim
.

Acho que vou mandar fazer um "photowall" e substituir a foto dele que tenho sobre a mesa-de-cabeceira, para dar um beijinho antes de dormir

(Só uma dúvida... Vocês também acham que os editores da revista "Plenitude" são uns gozões malvados ou sou só eu?)

.

Sem comentários: