.

.
.
.
.
.

'TOU C'A DÉPRÈ


A única coisa pior do que um regresso de férias é não ter férias.

Regressar a casa é uma canseira, uma trabalheira, um estado de choque prolongado que só se quebra com a chapada de água gelada que é voltar ao exercício laboral.

O final do gozo do período de férias devia ser seguido por cinco dias úteis de adaptação; Só começo a trabalhar amanhã (laborar no sentido económico-social do termo porque trabalhinho não me faltou nas últimas 48horas) e estou estafada... Ele é muita roupinha para arrumar, para lavar, muito sapato, muita toalha, muito fato-de-banho, muita tralha, brinquedo, a casa de banho parece Beirute, a cozinha compara-se ao Deserto da Namíbia.

E como explicar a reprodução geométrica de pêlo de cão durante quatro semanas de ausência? Que raio, ia jurar que o cão foi comigo e que não deixei cá nenhum mas a verdade é que nasceram rolos de pêlo em tudo o que é superfície doméstica, mistério só comparável ao do louco emaranhar das gambiarras natalícias que são supostas ficar quietas e enroladas nas caixas de ano para ano. O princípio entrópico a manifestar-se selvaticamente, em meu redor.

E depois há Lisboa...
Eu gosto de Lisboa, acho-a simpática e bonita, tem charme e ainda tem raça... mas para visitar. O defeito deve ser meu que não sou um animal citadino, por estranho que isso seja. E sou também demasiado comodista para pensar sequer em entrar e sair de Lisboa diariamente; já que trabalho aqui, já que o meu filho tem a escola aqui então deixa-me estar a usufruir da minha condição de habitante permanente, a condição de população flutuante dá-me a volta ao estômago - quando tem de ser, tem de ser, por opção ultrapassa o meu entendimento.



Daqui a pouco, mais semana menos semana, já me readaptei mas por agora... Ó céus, 'tou c'a déprè, pscèbem?
Não sei mesmo se estarei em condições clínicas de sujeitar os seres humanos, e as outras coisas parecidas, que circulam por aí fora das minhas quatro paredes à presença do meu deplorável estado psicológico. Hum... vou ter de pensar no assunto.







.

3 comentários:

Rui Morais disse...

Regressar a casa é uma canseira, uma trabalheira, um estado de choque prolongado que só se quebra com a chapada de água gelada que é voltar ao exercício laboral.

O Alex como eu tenho pena de ti,e vou seguir a tua opiniao.AGUA GELADA .
Tambem ve mai fazer bem
rui

Alex disse...

Olá Rui
Folgo em verificar que não te "afogaste" lá pela Quinta do Lago...

Quanto à "água gelada" tem cuidado, o melhor é tempera-la com "água da Escócia"; quando passares por Lisboa vem cá que eu faço-te um tempêro como deve de ser.

Beijinhos

Rui Morais disse...

combinado eu levo gelo