.

.
.
.
.
.

"NÃO FIZ, NÃO SEI, NÃO DISSE, NÃO EXPLICO"

(título citado de José Sócrates)










After the television address to the nation, in which Clinton gave the immortal line, “I did not have sexual relations with that woman, Ms Lewinsky”;Seven months later, on 17th of August 1998, in another speech to the nation, he admitted, “I did have a relationship with Ms Lewinsky that was not appropriate”.
He also challenged Starr to stop “prying into private lives”.


Veio esta conversa à baila a propósito do nosso Primeiro. Ora pois...

Os múltiplos deslizes de Sócrates não são, de forma alguma, historietas compararáveis a um deslize de cariz sexual; os deslizes de Sócrates deslizam para cima dos portugueses. Caso se venham a provar, são objecto de tribunal criminal, não de tribunal de família - toma lá as cartas dá cá as fotografias.

Então por quê a comparação?
Pela negação, obviamente.
O outro negava um acto íntimo, este nega crimes públicos.


Eu não posso dizer que SEI o que Sócrates fez ou não, só posso dizer que, considerando os acontecimentos E o comportamento E o carácter que demonstra, tudo me leva a crer que o homem de inocente não tem asas nas costas e nisto estou muito, mas mesmo muito, acompanhada.
Dizem os seus apoiantes que é uma "má vontade pessoal"... Claro que é pessoal. O problema, este problema, não é com o Partido Socialista, é com Sócrates, com quem é Sócrates.

Há suspeitas que não podem cair sobre um homem de Estado. Não podem. Ponto. Ou são imediatamente esclarecidas ou têm de ser imediatamente esclarecidas. Não podem subsistir a reboque de vitimizações de "cabalas negras", de Procuradores Gerais omnipotentes e onniscientes que guardam segredinhos para si e juram a pés juntos que nada se passa, não encontram justificação nem cobertura em "manobras pérfidas da oposição"; não se calam com afirmações de que é tudo um disparate, não terminam só porque se espera que caiam de podres. ESCLARECEM-SE. O cidadão comum tem todo o direito a esse esclarecimento, ao que parece, muito inconveniente.

Não se trata "apenas" da Liberdade de Imprensa, o que já bastaria, são já demasiadas coisas que "são invenções mal intencionadas".
Faz-me uma enorme confusão andarem aí uns tipos a referirem-se ao "primeiro" ou mesmo ao "Sócrates", que queria isto, que mandou aquilo, que se encontrou com Fulano e telefonou a Sicrano... E ninguém lhes pede explicações? Não são esses os primeiríssimos que estão a denegrir a imagem do "primeiro"? Põem a boca no trombone, que é como quem diz no telefone, dizem o que disseram e ninguém se chateia? Ninguém os chama à responsabilidade sobre o que afirmaram e andaram a contar uns aos outros? Ai mas que confusão isto faz
à minha fraca cabecinha...
Sr José, explique-se homem!
(Ou como diria o outro, explicar-me JÁMÊ!)

Sócrates marcou três dias de reuniões para remoer com o partido; Saiu da primeira, com o Secretariado Nacional (são todos escolhidinhos a dedo... olha eles aqui ), com o rei na barriga e a dizer que não prestava declarações, só no dia seguinte.
Suspense...

Como se não soubéssemos todos, os amigos e os inimigos, o que ele ia dizer. Surpresa seria se Sócrates resolvesse dizer algo de novo, justificar o que é dito nas gravações, explicar o que ainda ninguém desdisse. E das gravações não se fala, como bem ensinou o Sr. Dr. Proença de Carvalho, vieram a público ilicitamente não se pactua... mesmo que isso aclarasse e reabilitasse a imagem do Primeiro. Exactamente pá, não se pactua.
Nada disso. Sócrates nega, claro que nega, negará até ao fim. São invenções, é uma cabala, é ridículo, etc. Como há-de o pobre injustiçado falar daquilo que não sabe?

Entretanto sucedem-se as notícias, as audições parlamentares, as conversas que, mesmo com providências cautelares frustradas, vêm a público e ninguém diz que são mentira, e as demissões sequentes. Do "Freeport" já ninguém fala... nem dos primos, nem da mãezinha. Só das maldades que fazem ao Sr. Engenheiro

Este buraco tem fundo ou, como os outros similares, também vai desaguar ao mar, lá longe?

Para rematar, e porque todos os diabos têm sorte - sem pretender fazer graça com a tragédia, verdadeira tragédia, - se no Sábado,após a última reunião partidária do Zé, se poderia esperar algum impacto (porque de novo nada viria), heis que foi aquele pavor das cheias torrenciais na Madeira e, obviamente, qual PS, qual Zé Sócrates... Falou-se, viu-se e ouviu-se as terríveis notícias da Madeira, o resto foi na enchurrada. O diabinho diluiu-se. Negou e diluiu-se.

Hoje Sócrates dará uma entrevista a Sousa Tavares... Lá virá a injustiça, lá virá a inocência, a lábia, o eu não fiz, o eu não sei, o eu não disse. E o eu não explico,
jamais, comme toujours.

Saber esperar é uma vitude...

.


Sem comentários: