.

.
.
.
.
.

OS NEGÓCIOS DOS SENHORES DO MUNDO

A IMORALIDADE
TEM DE TER LIMITES

(NESTE CASO JÁ EXCEDIDOS)

PERGUNTAS:

A QUEM PERTENCEM AS SEMENTES EXISTENTES NA NATUREZA?

A QUEM PERTENCEM AS SEMENTES GERADAS NA TERRA QUE CADA UM CULTIVA?



No próximo dia 18 de Abril será posto à aprovação em Bruxelas uma directiva sobre as sementes para a agricultura.

Por exemplo:
  • 75% das sementes que são lançadas à terra em cada ano são sementes guardadas pelos próprios agricultores e que isso será absolutamente proibido a partir da aprovação desta directiva.
  • Vão ficar certificadas meia dúzia de marcas/empresas para fornecer à agricultura, acabando com identidades nacionais nesta área
  • Apenas poderão chegar ao mercados, couves, alfaces e outros verdes, espécies provenientes desta certificação
  • Para se poder produzir, a exploração terá de ter um mínimo de 10 hectares
Obviamente,
tudo isso se faz com base no interesse de algumas empresas produtoras de sementes que afirmam não ter o rendimento do investimento feito em tecnologia e outros meios de produção, esquecendo que os seu investigadores foram formados em universidades públicas e a tecnologia é sempre um esforço do País colocado à disposição da iniciativa privada

a maioria dessas empresas beneficiaram de apoios económicos e financeiros em larga escala, quer de programas oficiais da comunidade, quer em empréstimos da banca hoje pagos pelos contribuintes à conta de se tornar pública uma dívida que é privada

a ASAE irá de novo a correr mercados municipais a analisar, a apreender e a inutilizar produtos agricolas vegetais que sempre comemos no nosso cozido à portuguesa

Petição aqui:
http://www.no-patents-on-seeds.org/en/recent-activities/sign-now





A Campanha "Sementes Livres" é uma iniciativa europeia com núcleos na maioria dos Estados-Membros da União Europeia.

Em Portugal a campanha é dinamizada, entre outros, pelo Campo Aberto, GAIA, Movimento Pró-Informação para Cidadania e Ambiente, Plataforma Transgénicos Fora e Quercus.

A Campanha visa conquistar, defender e promover o direito à criação própria de sementes com vista à promoção e protecção da diversidade de espécies agrícolas regionais, os interesses dos pequenos agricultores e criadores, dos agricultores ecológicos e ainda para garantir a segurança e soberania alimentares de todos os povos.
Defende uma agricultura ecológica de base camponesa e de baixa intensidade onde não têm lugar a manipulação genética nem as patentes sobre plantas e animais.


A CARTA, ABERTA AOS MEMBROS DO PARLAMENTO EUROPEU E COMISSÃO EUROPEIA AQUI: http://www.no-patents-on-seeds.org/en/recent-activities/open-letter-members-european-parliament-and-european-commission

Petição ao Parlamento Europeu e Comissão Europeia disponível
AQUI: http://www.no-patents-on-seeds.org/en/recent-activities/sign-now

OUTRAS INFORMAÇÕES NO SITE "NO PATENTS ON SEEDS",
AQUI: http://www.no-patents-on-seeds.org/en



.

2 comentários:

Laurus nobilis disse...

Olá, boa noite,

Só queria referir que estas mensagens que estão a "correr mundo" são um enorme embuste, já que não só dia 18 não vai haver qualquer votação, como as eventuais alterações que possam vir a ocorrer sobre esta matéria, só começarão a ser discutidas no próximo dia 11, devendo levar anos até que estejam legisladas. A Comissão publicou uma série de cenários e penso que será daqui que foram tiradas estas traduções manhosas... Por curioso que pareça, as directivas que existem sobre sementes são 3, em que duas já estão transpostas para a legislação nacional, sendo altamente cuidadosas com o material genético regional. Ou seja, vamos continuar a comer cozido com tudo a que temos direito, assim como os desgraçados da ASAE que têm umas costas larguíssimas...

Alex disse...

Olá...

Acho estranhíssimo, verifiquei as páginas da petição, e links anexos.

Obviamente não verifiquei o suficiente.

Vou fazê-lo.
Obrigada pela informação

Inté...