.

.
.
.
.
.

LIBERTAÇÃO DE QUÊ?

Durante anos, décadas, particularmente a esquerda - e não tanto a esquerda institucional mas antes a faixa etária jovem, os daquelas idades em que a pureza de intenções e a inexperiência de análise histórica leva muitos corações a militarem à esquerda - se colocou do lado da luta pelo Estado Palestiniano.
Creio que todos temos presente a imagem de jovens com o lenço griffe Arafat ao pescoço. Jovens e pseudo-intelectuais "de esquerda" com vidas de copos e conversa sem fim, artes e noitadas, com vidas mal sustentadas e a vontade de trabalhar de uma preguiça.

Também muitos terão ainda presente a imagem de Arafat, que visitou o nosso presidente da república (e não só o nosso), então Ramalho Eanes, de pistola à cinta e segurança armada. Muitos ainda sabem que tipo de líder foi Arafat, dispenso comentar.

Em Novembro de 2012 o Estado Palestiniano foi reconhecido na O.N.U. como "Estado observador", um estatuto semelhante ao do Estado do Vaticano; desde 1974, os palestinos eram representados pela OLP (Organização para Libertação da Palestina), com o estatuto de entidade observadora.Tenho esperança de que ainda muitos se lembrem do que era a O.L.P.

Houve muito quem festejasse, para além dos palestinianos, muito grito e cartaz "Palestina Livre". Livre? Veremos...






E hei-nos chegados a Março de 2013...
Há dois dias a O.N.U viu-se confrontada com uma situação "inesperada" e teve de tomar uma resolução, eu diria que, embaraçosa: suspenderam a maratona de Gaza após o movimento Hamas ter proibido as mulheres de poderem participar .

«A maratona seria a terceira já realizada no território. No ano passado, o evento contou com centenas de participantes, entre elas algumas mulheres.
A ala conservadora do Hamas tem expressado sua contrariedade ao que consideram uma excessiva integração dos sexos nas escolas e em eventos desportivos.» In  http://www.bbc.co.uk/portuguese
____________________________

O Hamas controla o território palestiniano na faixa de Gaza.
Passado que são Arafat e a OLP, bem presente é a existência do Hamas.


Cartaz honrando o fundador da Al-Qaida, Bin Laden, e o co-fundador do Hamas, Sheik Ahmed Yassin, na Faixa de Gaza e distribuído pelo "partido" maioritário palestiniano, Hamas - o mais poderoso dos três principais, todos eles grupos armados: Hamas, Fatah e FPLP (Frente Popular para a Libertação da Palestina).

O complexo do "politicamente correcto" tem levado a enormes e gravíssimos disparates com consequências devastadoras. Perguntarão os mais puros de espírito: "Então e os direitos do povo palestiniano?"
Os direitos do povo palestiniano... Só se ilude quem quiser ou não se esforçar durante meia-hora para compreender que esta "luta" nada tem a ver com a libertação do povo palestiniano.
O povo palestiniano que se lixe, é carne para os canhões de terroristas islâmicos fundamentalistas e se quiserem ver-se recompensados que vão curtir as suas 40 virgens no além; e as gajas, que não estão interessadas nas virgens, servem para servir e parir, sobretudo parir.

Sem comentários: