.

.
.
.
.
.

NATÁLIA


A única Deusa que conheci
Faz hoje 20 anos que voltou para casa

Era um ser extraordinário
Na pouca convivência que tive o privilégio de ter com ela ensinou-me várias coisas importantes que nunca esqueci e que, de alguma forma, moldaram algumas caracteristicas que se incorporaram na minha maneira de ser, de estar, de ver a vida.

Quando a Natália se deparava com algum assunto que a interessava (e quase tudo a interessava) mas do qual não sabia grande coisa não se ficava pelo "não sei"; Abria enciclopédias, comprava livros, fazia perguntas... Às vezes vezes penso como seria a Natália com um "Google" nas pontas dos dedos... Feliz, sem dúvida.

Certo dia, no meio de um comício, eu estava a fazer "cordão de segurança" não porque se apresentasse qualquer perigo mas apenas para delimitar um espaço. A Natália levantou-se e veio direita a mim com um ar zangado, de testa franzida, agarrou-me por um braço e disse-me:
«Venha comigo porque quero explicar-lhe duas ou três coisas que a menina já tem mais do que idade para saber. Primeiro: as mulheres não são homens e não fazem as coisas que compete aos homens fazer se souberem ser mulheres. Faz favor de não andar de cavalo para burro. E esta não é uma questão de época, é uma questão de sabedoria, percebeu? Segundo...»
Eu percebi. Esta e outras coisas inesquecíveis que me disse.
Tenho saudades dela, sei que nunca mais encontrarei uma pessoa assim, era única.

Um enorme e caloroso abraço Natália, lá onde estiver... aprendendo e sentindo, sempre


O sol nas noites e o luar nos dias

De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto:
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.

E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.

Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.

Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem.

Natália Correia
Poesia Completa
Publicações Dom Quixote
1999


.

Sem comentários: