.

.
.
.
.
.

QUE NOJO DE GAJO

Do "anacronismo" ao "pragmatismo" das relações com um regime "muito horizontal"

«O ministro dos Negócios Estrangeiros defende o pragmatismo nas relações com outros países, já que considera «absolutamente ridículo pretender desenvolver uma relação na base de uma avaliação das condições democráticas de cada pais».

Em entrevista ao programa Gente que Conta (TSF), Luís Amado lembrou que se houvesse esta avaliação "não teríamos relações com muitos países com os quais temos relações há décadas"».

A entrevista do Luís Amado, em crescendo...
E o que ele considera "ridículo":
«É absolutamente ridículo, do meu ponto, de vista pretender desenvolver uma relação na base de uma avaliação das condições democráticas de cada país»

«se fosse assim nós não tínhamos relações com muitos países com os quais nós temos relações há décadas»

Ou seja, o óbice a relações não pode ser o facto de a Líbia não ter um regime democrático. Mas expliquem-me, o que está a levantar indignação pelo mundo é o facto de a Líbia não ter um regime democrático?
Isso do Kadhafi estar a assassinar o seu próprio povo é uma invenção? É um pormenor?
O Luís Amado, e los outros muxaxos, não foram informados?

Fraca defesa, desculpa lá gajo mas não convences, não convences mesmo.
A afirmação de que "o petróleo da Líbia é de muito boa qualidade" neste contexto... dá, ainda mais, vómitos.

Ridículo é pretender que é pelo facto de Portugal manter relações com uma autocracia que levanta críticas às declarações, e falta de uma tomada de posição digna e firme, por parte do executivo português


Sobre o regime de Kadhafi: «É um regime muito horizontal, sem cadeia de comando e sem instituições»



E, ainda por cima, é este "badameco" que (me) representa exteriormente o meu país.
Que nojo de gajo.

.

Sem comentários: