.

.
.
.
.
.

DECLARO ABERTA A CAMPANHA

Acho que falar sempre de política, polítiquices e polítiqueiros, como assunto preponderante em hora de lazer, é "falta de assunto", é falta de imaginação, é culturalmente pobre, é pessoalmente frio, é desinteressante. Falar de política sim, mas a vida não é "isso", pelo menos a minha, cruzes canhoto.

Pronto, está bem, eu assumo: nesta altura do "campeonato nacional" é-me impossível não o fazer; para além de estar empecilhadamente na "ordem do dia", estes períodos de campanha eleitoral, ao contrário do que é costume, despertam uma graça muito especial na política.
As campanhas sempre me deram uma pica danada (desculpem a expressão mas é, de facto, a que melhor descreve as minhas emoções) e esta campanha, em particular, desperta-me todos os sentidos, o de humor em especial.

Ao longo dos dois anos e dois meses, que completará amanhã o Real Gana, não foram preponderantes os posts sobre política e destes creio que a maioria terão sido sobre acontecimentos que moveram a política mundial, actuais ou recordados. Dou-me conta de que abri o Real Gana com um post sobre política, ou melhor, sobre Política, no qual explico porque não vejo "telejornais" (e afins) e que intitulei, esclarecedoramente, "Porque não gosto que me mintam". Mantenho.

Mas as campanhas são outra coisa, são o vale tudo, são o "zangam-se as comadres", são a "roupa suja" e os branqueamentos de acções e imagem, são o marketing político no seu melhor, são a expectativa, as esperanças e os receios, as apostas de "tudo ou nada"; são as épocas em que temos paciência e curiosidade de ouvir os "adversários".
De vez em quando as campanhas vão mais além e são o "acender de uma estrela" ou a "morte do artista", são uma espécie de progressão dos "quartos de final em diante, até uma final" que pára o país tão arrebatadora como os jogos da Selecção (do tempo do Scolari, entenda-se) - mesmo quem "já não vai em futebois" pode dar consigo de bandeira na mão e a envergar uma camisola, nem que seja apenas para evitar determinado colete.
As campanhas são uma festa, por vezes uma orgia (acendam as luzes p...!) mas dentro da sua alegria ou perversidade há que não nos reduzirmos a colocarmos a almofada sobre a cabeça tentando ignorar a algazarra. Além de não ser minimamente divertido, no sentido mais inteligente do termo, pode ser perigoso, no sentido mais prático e real do termo.

Neste estado de excitação política que me é humanamente impossível ignorar, não só porque me está na "massa do sangue" mas essencialmente porque meu José de tudo tem feito para me manter animada e viçosa, declaro oficialmente aberta a Campanha Eleitoral Legislativas 2009 no Real Gana.

E para reafirmar que estou sempre com meu José no pensamento, esteja ele no governo ou na oposição - não sou mulher de interesseirismos - aqui vos deixo o primeiro vídeo oficial de campanha, primorosamente realizado pelo "31 da Armada" e publicado no You Tube.



Dia 28 de Setembro das duas, uma: Ou há festa cá no blog ou passo à clandestinidade, de preferência a bordo de um jacto que se dirija para a Austrália ou para a Nova Zelândia, longe!
Vamos a votos.

.

Sem comentários: