.

.
.
.
.
.

MANIFESTO

Cabe-nos a nós, portugueses, cuidar do nosso país, compreendermos de uma vez que somos responsáveis pela sua vida presente e futura.
Cabe-nos a nós, portugueses, não deixarmos que seja quem for se aproprie da nossa intenção, vontade, acção e liberdade.

Vivemos, constitucionalmente, numa democracia representativa;
Cabe-nos a nós, portugueses,
exigir as mudanças que podemos impor,
exigir o cumprimento dos compromissos assumidos pelos nossos representantes,
exigir que o serviço público, que pagamos a peso de ouro, seja Serviço Público e não um repositório sem fundo para obter empregos, favores, aliados dúbios e poder pessoal.

Cabe-nos a nós, portugueses, a mais ninguém.

Se virarmos as costas, ainda que em insulto,
e considerarmos que não uma há solução na democracia representativa,
se nos demitirmos do nosso poder e da nossa responsabilidade
resta-nos um futuro de culpabilização alheia pela nossa inoperância
,

e a ditadura de uma minoria que nunca desiste, sedenta de poder, ávida na sua prepotência por nós legitimada.

Cabe-nos a nós, portugueses, agirmos ou continuar-mos a aumentar a "maioria abstencionista", profeta da desgraça, que se desculpa dizendo que não vale a pena porque "são todos iguais".
Cabe-nos a nós, portugueses, construir a diferença e mantê-la.

Quem elege também demite quando não serve.

Haja alma


.

2 comentários:

Laurus nobilis disse...

Basicamente, é isto!

Alex disse...

Basicamente, basicamente, é.